A Polícia Civil começou a ouvir depoimentos  para identificar os responsáveis pela pichação na Igreja São Francisco de Assis, na Pampulha. Nesta sexta-feira pela manhã, um jovem de 19 anos, prestou depoimentos na Delegacia de Meio Ambiente.

Mas segundo informações da PC, o rapaz, interrogado por volta de 10h, não deu informações relevantes sobre o crime. Conforme a assessoria de imprensa da PC, o jovem teria duas passagens pela polícia e foi localizado por meio de denúncias feitas pelo 181. Apesar disso, ele ainda não é considerado um suspeito em potencial.

Para a parte da tarde, estão previstas novas oitivas. Não houve confirmação se serão interrogadas uma ou duas pessoas. A expectativa é que elas possam trazer mais informações sobre a palavra pichada.

A linha de investigação segue no sentido de interrogar pessoas ligadas à palavra pichada, que foi “perfeitaismo”. Já se sabe que essa é uma filosofia que prega um novo modelo político capaz de fazer “uma sociedade melhor”.

Essa é a segunda vez que a Igrejinha da Pampulha foi pichada em menos de um ano. Além da Polícia Civil, o Ministério Público de Minas Gerais também promete fechar o cerco contra os pichadores. A câmara do olho vivo instalada pela Polícia Militar em frente à Igrejnha não captou imagens do vandalismo.

O Conjunto Moderno da Pampulha, que é Patrimônio Cultural da Humanidade, é o líder de reparos feitos na cidade, na comparação com as demais regionais. Em 2016, foram 185 reparações no local, segundo informações da Prefeitura de Belo Horizonte.

Leia mais:

Campeã de danos ao patrimônio: Pampulha lidera reparos de vandalismo em BH

Igrejinha da Pampulha é pichada pela segunda vez em menos de um ano

  Arquidiocese planeja retirada dos quadros de Portinari da Igrejinha da Pampulha