Técnicos de vistoria da Defesa Civil mantiveram interditados, por tempo indeterminado, os quatro imóveis (duas casas e duas lojas) na rua Frei Luiz de Souza, entre os números 301 e 311, no bairro João Pinheiro, região Noroeste de Belo Horizonte. Segundo a Defesa Civil, para realizar o reparo é preciso acessar o solo e, por isso, será necessário a demolição dos muros e da parte frontal das fachadas. 

As estruturas sofreram novam vistoria nesta terça-feira (6). Ontem, os imóveis sofreram danos por um abalo de terra, provocado por um vazamento em uma estrutura da Copasa. Conforme a Defesa Civil, o trecho da rua Frei Luiz de Souza que fica entre as ruas Cruz Alta e Bacuri está isolado. A estrutura dos muros das casas e das fachadas das lojas afundaram. Nos pontos mais críticos, elas abaixaram cerca de 5 cm do nível da calçada.

Ainda de acordo com a Defesa Civil, o motivo do afundamento está ligado ao “acúmulo de água embaixo das estruturas. Mas a perícia, que está em andamento, ainda apura o local do vazamento", informou.

De acordo com a Copasa, ainda nesta terça-feira foi feita a abertura das valas para verificar a origem do vazamento, assim como a perícia técnica na casa de número 301 e nas duas lojas no número 311 da rua Frei Luiz de Souza. Em nota, a companhia diz ter oferecido hotel na região, as famílias optaram pela hospedagem em imóveis de parentes até a conclusão dos levantamentos.