Após sete reuniões comandadas pelo Ministério Público, representantes da prefeitura e das empresas Cowan e Consol chegaram a um acordo com relação ao ressarcimento dos valores gastos com a construção do Viaduto Batalha dos Guararapes. Ao todo, as empresas terão que devolver aos cofres públicos pouco mais de R$ 12 milhões gastos com a construção da estrutura que desabou em julho de 2014.

Caberá à Consol, responsável pelo projeto, a devolução de cerca de R$ 230 mil. Já a Cowan, que executou a obra, terá que fazer o ressarcimento de cerca de R$ 12 milhões. Acontece que a empresa tem créditos com a prefeitura, já que tinha três contratos que foram executamos sem receber os valores devidos do município. O montante pago pelo viaduto será descontado do valor que a prefeitura deve para a empresa.

O município e a Cowan ainda divergem sobre esse montante devido. Segundo a prefeitura, seriam cerca de R$ 20 milhões. Já a empresa estima algo em torno de R$ 30 milhões. Assim que os valores forem conferidos e acertados entre as partes será assinado o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC). A expectativa é que isso ocorra em até 30 dias. Independentemente de qual seja o valor, terá que ser descontado do montante os cerca de R$ 12 milhões gastos com a construção do viaduto.

"Após muitas reuniões, as partes concordaram em devolver o dinheiro gasto com a obra. Isso não abasteça todos os prejuízos provocados pela queda do viaduto, mas garante a resolução da parte financeira", afinou o promotor Eduardo Nepomuceno.

A queda da estrutura provocou a morte de duas pessoas e deixou outras 23 feridas. Ao todo, 11 pessoas foram denunciadas pela Justiça, entre elas funcionários da Cowan, Consol e da Prefeitura.

Leia mais

Nova reunião sobre prejuízos da queda de viaduto termina sem acordo
Mais uma tentativa de acordo para ressarcimento de obra
MP denuncia 11 dos 19 indiciados pela queda de viaduto Batalha dos Guararapes
Polícia indicia 19 pessoas por queda de viaduto