Enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem da Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) fazem nesta terça-feira (17) um dia de protesto para pedir valorização da profissão. Além de paralisação, os profissionais fizeram passeata em diversas ruas da cidade, sendo que vários usavam jalecos.

O grupo saiu da Praça da Estação em direção a Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG). Conforme o Sindicato dos Servidores Públicos Municipais (Sindibel), a data foi escolhida em decorrência do Dia Nacional de Luta pela Valorização da Enfermagem.

O sindicato informou que a escala está reduzida, em 30%, nos centros de saúde da capital. A Secretaria Municipal de Saúde (SMSA) ainda não divulgou se o protesto dos enfermeiros prejudico o atendimentos nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAs) da cidade.

Valorização

Conforme o Sindibel, a Organização Mundial da Saúde (OMS) e a Organização Internacional do Trabalho (OIT) recomendam jornada de trabalho máxima de 30 horas semanais na área da saúde. 

No entanto, o sindicato denuncia que em BH a jornada é de 40 horas por semana."Minas Gerais é o único Estado da região sudeste que não colocou em prática a jornada de 30 horas", lamenta.

O Sindibel também reclama da falta de definição de um piso salarial para os trabalhadores da área. "A falta de regulamentação faz com que 21,8% dos profissionais tenham condições de subsalário abaixo de R$ 1.000".