Eles estão no topo, mas passam despercebidos pela grande maioria da população que, na correria do dia a dia, acaba não parando para olhar para cima e apreciar a riqueza das fachadas das construções de Belo Horizonte, principalmente as mais antigas.

Cores e formatos variados, que remetem a diversos estilos arquitetônicos: da as proporções e linhas elegantes do estilo neoclássico aos traços rebuscados do barroco. E que guardam muito da história da capital mineira.

A fachada da Livraria Francisco Alves, por exemplo, clicada neste ensaio de Marcelo Prates, foi a primeira editora do Brasil. O prédio, de 1909, tem inspiração neoclássica. Riquezas que precisam ser preservadas e valorizadas.