A Agência Nacional de Águas (ANA) emitiu um comunicado na tarde deste sábado (7) com relação ao deslocamento da lama que desce o rio Doce, devido ao rompimento das barragens em Bento Rodrigues, próximo a Mariana. Os rejeitos estão se deslocando rumo ao espírito Santo e a expectativa é que atinjam Governador Valadares em breve.

O Parque Estadual do Rio Doce já foi afetado e os danos ainda não pdodem ser medidos.

Devido ao deslocamento da massa de rejeitos, a ANA pede que os sestemas de captação de água sejam interrompidos at´qe que as características físio-químicas da água melhorem. Inicialmente está descartado o risco de inundações ao longo da calha do rio. A recomendação é que a população esqtoque água para eventuais racionamentos, segundo informou o Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae). Todos os reservatórios de Valadares estão cheios.

De acordo com o serviço, quando a lama chegar à cidade, as bombas serão desligadas para que amostras sejam colhidas. Caso seja possível tratar a água sem nenhum risco para o consumo, o abastecimento volta ao normal. Do contrário, a captação continua suspensa.

Leia o comunicado da ANA na íntegra

"Em decorrência da lamentável ruptura de barramentos com rejeitos de mineração ocorridos em Mariana na tarde do dia 05/11, comunicamos às autoridades e comunidade da Bacia

Hidrográfica do Rio Doce:

- Está se propagando no leito do rio Doce uma onda de cheia que passou pela Usina Hidrelétrica de Candonga com uma vazão máxima da ordem de 1900m³/s;

- Nosso monitoramento registrou, para o posto de monitoramento denominado Cachoeira dos Óculos, uma redução substantiva da vazão máxima para algo em torno de 850 m³/s;

- A amortecimento do pico de cheia que ocorrerá nos reservatórioS das UHEs Baguari e Aimorés reduzirá ainda mais a vazão máxima, o que nos permite afirmar que não há risco de inundações nos municípios localizados nas margens do rio Doce;

- Esta onda que se propaga poderá provocar uma alteração abrupta do nível d’água, razão pela qual recomendamos aos usuários que protejam suas instalações de captação durante a passagem da onda de cheias;

- A natureza do resíduo em questão implica em grandes alterações temporárias das características da água bruta, por tempo indeterminável neste momento;

- Recomendamos aos operadores de Sistemas de Abastecimento de Água que interrompam suas captações com o início das alterações nas vazões e que somente as retomem a partir da melhoria das características físico-químicas da água, considerando suas possibilidades de potabilização, e que busquem imediatamente armazenar água, na medida do possível, visando manter o abastecimento durante o período de interrupção;

- A Agência Nacional de Águas está em articulação com o Operador Nacional do Sistema Elétrico, a fim de que se possa amortecer a onda de cheia por meio da operação das UHEs Baguari e Aimorés e esta ação contribuirá não apenas para a redução das vazões como também para a retenção e diluição dos resíduos.

A Agência Nacional de Águas está monitorando a situação e emitirá novos comunicados caso haja necessidade.

AGÊNCIA NACIONAL DE ÁGUAS
"