Um grupo de mães de crianças e adolescentes pacientes do Hospital Infantil João Paulo II, no Centtro de BH, fizeram uma manifestação na tarde desta quarta-feira (14), contra o estrupo de uma garota de 14 anos, portadora de paralisia cerebral, ocorrido na unidade no mês passado. As mães pedem mais segurança dentro do hospital, que é referência em pediatria.

O grupo saiu em caminhada do hospital, na Alameda Ezequiel Dias, em direção a Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig), localizada à Alameda Vereador Álvaro Celso, no bairro Santa Efigenia. o protesto foi pacífico e não provocou grandes problemas no trânsito na região.

Caso

O estupro ocorreu em setembro deste ano e a vítima é portadora de paralisia cerebral grave. O caso está sendo investigado pela Delegacia Especializada de Proteção à Criança e Adolescente (Depca).

Segundo a Fundação Hospitalar de Minas Gerais (Fhemig), o abuso foi diagnosticado pela médica responsável pelo atendimento da adolescente, que comunicou o fato à direção do hospital e a mãe. Um inquérito foi aberto pela Polícia Civil e o Conselho Tutelar acionado.