A greve dos servidores Técnico-administrativos em Educação (TAEs) da Universidade Federal de Ouro Preto (UFOP) entrou nesta quinta-feira (11) no seu 11º dia. E o movimento não tem prazo para encerrar. 
 
Segundo o Sindicato dos Trabalhadores Técnico-Administrativo da UFOP (ASSUFOP), os trabalhadores querem pressionar o Governo Federal a negociar com a categoria.
 
Dentre outros itens, os servidores reivindicam a recomposição salarial de 27,3%, correção das distorções da carreira e reposicionamento dos aposentados. A greve afetou, conforme o sindicato, o funcionamento dos restaurantes universitários, que teve horário de funcionamento alterado. 
 
A UFOP divulgou, por meio de nota, que o movimento "têm colocado em discussão assuntos primordiais para a garantia e a melhora das condições de trabalho, da qualidade dos processos acadêmicos, da igualdade de direitos e respeito nas relações, da equidade nas políticas de assistência, da segurança pessoal e patrimonial e da transparência das informações".
 
Além disso, a universidade informou que mantém o compromisso de abertura ao diálogo com representantes de todas as classes "na busca de entendimentos que representem avanços concretos. Para isso, foi constituída uma comissão para negociar a desocupação da reitoria".