Usuários das três estações de metrô que fazem integração com linhas de ônibus em Belo Horizonte (São Gabriel, Vilarinho e José Cândido da Silveira) denunciam o desrespeito desses motoristas à faixa de pedestres. E o hábito de parar em cima do recurso de proteção aos caminhantes foi citado como recorrente. Um problema que coloca em risco a segurança dos pedestres, segundo especialistas, mas é negligenciado pelos órgãos de gerenciamento de trânsito.

Segundo as normas de circulação e conduta do Código de Trânsito Brasileiro, os veículos de maior porte são responsáveis pela segurança dos menores, os motorizados pelos não motorizados e, juntos, devem garantir a integridade dos pedestres.

Não é o que acontece em BH, na opinião do presidente da ONG SOS Mobilidade Urbana, José Aparecido Ribeiro, pois muitos motoristas de ônibus ignoram quem caminha. “Os condutores de ônibus têm muito mais responsabilidade no trânsito. Eles deveriam estar mais atentos, preparados e ter mais paciência nas ruas”, afirma.

O especialista, no entanto, reconhece que erros desses profissionais são consequência de uma carga horária excessiva e estresse. “Mesmo assim, eles devem entender que precisam prezar pela segurança dos motoristas dos carros, das motos e dos pedestres”, argumenta Ribeiro.

Desrespeito

A auxiliar administrativo Glória Ferreira, de 45 anos, diz que alguns motoristas, no horário de pico, não respeitam a faixa no terminal da estação Vilarinho, em Venda Nova. “E a faixa tem elevação e está destacada com pintura vermelha”, comenta.

De acordo com a professora associada do departamento de engenharia de transportes de Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Heloísa Maria Barbosa, esse é um problema comum em toda a cidade e não é praticado apenas por motoristas de ônibus. “Cada um deve se conscientizar de seu papel no trânsito”, diz.

Para José Aparecido Ribeiro, o belo-horizontino precisa mudar seu comportamento em relação aos pedestres, com urgência.

Leia mais na edição digital