Um homem que pode ter envolvimento na execução de Sérgio Rosa Sales, primo do goleiro Bruno, foi preso na tarde desta sexta-feira (24), no bairro Minaslândia, região Norte de Belo Horizonte. A polícia prendeu o suspeito após denúncia anônima. No total, sete pessoas foram presas por envolvimento com o tráfico de drogas. Com eles, a polícia apreendeu três revólveres calibre .38, 173 pedras de crack, 62 buchas de maconha, além de tabletes de maconha, uma porção de cocaína e 30 munições de calibre .38.

De acordo com um investigador da 7ª Seccional de Venda Nova, para onde os suspeitos foram levados, Carlos Eduardo Pereira, de 20 anos, assumiu ser dono dos três revólveres calibre 38 e das drogas apreendidas. Os outros detidos Ricardo Carvalho de Oliveira, 19, Renato Júnior Carvalho de Oliveira, 22, Mateus Henrique de Souza Santos, 18, Leonardo Ferreira de Sousa, 19, e João Gabriel dos Santos Silva, 23, disseram que moram no bairro Veneza, em Ribeirão das Neves, na região Metropolitana da Capital.

Eles teriam negado qualquer ligação com a morte do primo do goleiro Bruno e que a arma e as drogas não seriam deles. O dono do imóvel onde o grupo estava, Antônio de Oliveira Souza, de 43 anos, foi flagrado tentando esconder um revólver.
 
O crime
 
Sérgio Rosa Sales foi assassinado na quarta-feira (22). De acordo com a Polícia Civil, ele era peça fundamental no caso que investiga o desaparecimento da ex-modelo Eliza Samudio. Em depoimento à polícia, o primo de Bruno revelou que a ex-amante do atleta teria sido morta. Depois Sérgio mudou de versão e disse que foi pressionado para falar sobre o crime.
 
Ele havia deixado a penitenciária Dutra Ladeira, em Ribeirão das Neves, no dia 11 de agosto de 2011. Sérgio respondia pelos crimes de homicídio triplicamente qualificado, sequestro, cárcere privado e ocultação de cadáver. Ele ficou 400 dias preso e, na época da saída, disse que se sentia "feliz e aliviado".                  
                                                                    
De acordo com os militares do 13º Batalhão da Polícia Militar, o crime ocorreu na rua Aracitaba, esquina com rua Maria Madalena. O local fica perto da casa onde Sérgio morava e, de acordo com os policiais, a pessoa que denunciou o homicídio contou que ouviu cinco disparos de arma de fogo na rua e várias pessoas gritando.
 
 
                                     Sérgio Rosa Sales
 
                  Sérgio Rosa Sales foi solto da Dutra Ladeira em agosto de 2011 (Foto Eugênio Moraes/Arquivo Hoje em Dia)
 
 
Quando os militares chegaram ao local, encontraram o corpo de Sérgio na via pública com cinco marcas de tiros. A perícia foi acionada e o corpo encaminhado ao Instituto Médico-Legal (IML). A Polícia Civil está investigando o caso. Há suspeita de que o homicídio tenha sido uma queima de arquivo, já que Sérgio era um dos envolvidos no caso do desaparecimento da modelo Eliza Samúdio. A reportagem do Hoje em Dia tentou entrar em contato com o advogado de Sérgio Rosa Sales, mas ele não foi encontrado para comentar a morte do cliente.
 
Audiência
 
A liberdade de Sérgio foi decidida no dia 10 de agosto do ano passado, durante audiência na 4ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG). Durante a sessão, os desembargadores Dorgal Andrada, Herbert Carneiro e Demilval de Almeida Campos decidiram, também, por unanimidade, que Bruno e os outros sete acusados de envolvimento pelo desaparecimento de Eliza Samudio vão a julgamento popular.
 
Mesmo não se livrando das acusações do crime, os familiares de Sérgio, na época, comemoraram a decisão. "Foi muita gritaria, festa e emoção quando recebemos a notícia que meu irmão seria solto", afirmou Cláudia Sales, irmã do acusado. O alvará de soltura foi assinado pela juíza Marixa Fabiane Lopes, por volta das 13 horas, na Vara Criminal de Contagem.
 
Entenda o caso
 
O ex-goleiro Bruno, que seria amante de Eliza Samudio, é acusado de encomendar a morte da modelo. O atleta, o amigo dele, Luiz Henrique Ferreira Romão, o "Macarrão", o primo Sérgio Rosa Sales - que foi assassinado nessa quarta-feira (22) - e Marcos Aparecido dos Santos, o "Bola", respondem aos crimes de homicídio triplamente qualificado, sequestro, cárcere privado e ocultação de cadáver.
 
Dayanne Rodrigues do Carmo Souza, na época mulher do atleta; Wemerson Marques de Souza, o "Coxinha"; Elenílson Vítor da Silva, e Fernanda Gomes de Castro, ex-namorada do jogador, respondem pelos crimes de sequestro e cárcere privado. O julgamento que definirá o futuro dos acusados não tem previsão de ocorrer.
 
Eliza Samudio está desaparecida desde o dia 4 de junho de 2010, quando fez um último contato telefônico com uma amiga. Segundo a polícia, ela foi morta e teve seu corpo esquartejado. No entanto, os restos mortais da ex-modelo não foram localizados até hoje.