Oito homens foram presos, nesta terça-feira (4), suspeitos de furtar uma carga avaliada em R$ 470 mil, em Uberlândia, no Triângulo Mineiro. Segundo a Polícia Militar (PM), uma carreta que transportava produtos de cosméticos foi localizada na avenida José Andraus Gassani, no bairro Minas Gerais, em um estacionamento.
 
Conforme informações do boletim de ocorrência, o encarregado de transporte da empresa que transportava ao material perdeu o contato com o motorista da carreta. O sistema de rastreamento do cavalo trator do veículo apontava para Araxá, na região do Alto Paranaíba. O sistema da carreta, porém, mostrava que o veículo estava em Uberlândia. Os militares, então, seguiram para a cidade do Triângulo Mineiro.
 
Ao chegar ao local, a PM constatou que se tratava de um lava-jato e de um estacionamento. A funcionária do estabelecimento foi questionada pelos militares, mas afirmou não ter desconfiado de nada, já que era comum carretas estacionarem no local.
 
Durante a vistoria do estacionamento, a PM encontrou Jucimar Santos de Jesus, de 24 anos, Luciano Esteves de Oliveira, de 29, Tiago dos Reis Nunes, de 29, Pablo Elias Viana, de 30, e Francisco de Assis Vilela, de 36, fazendo o transbordo dos produtos da carreta furtada para outra carreta. Juarez Francisco Pereira, de 54 anos, e Ronaldo Castro da Silva, de 51, foram encontrados durante as diligências da PM e também são suspeitos de participar do crime. 
 
O funcionário da empresa que dirigia a carreta furtada, Dario Antônio Martins do Vale, 40 anos, foi encontrado em Campo Florido, no Triângulo Mineiro. Ele alegou à polícia que indivíduos armados teriam o rendido, em Araxá, e o largaram em Campo Florido. Porém, durante a abordagem, o homem caiu em contradição, dizendo estar passando por dificuldade financeira. Dario chorou durante a conversa com a PM e afirmou que homens iriam matá-lo. O motorista, porém, não soube dizer quem estava ameaçando-o de morte.
 
Segundo a PM, os relatos do motorista da carreta não condiziam com as outras informações já colhidas pela corporação. Diante dos fatos, os militares desconfiaram da atitude de Dario e o prendeu para que a Polícia Civil investigue a sua participação.
 
Durante a operação, a PM constatou ainda que bloqueadores de sinal foram usados pelo bando com o objetivo de impedir que a carreta furtada fosse localizada. 
 
A PM não informou quais produtos de cosméticos foram furtados.