Depois de declarar situação de calamidade pública, a prefeitura de Formiga decidiu suspender as aulas das escolas municipais a partir desta segunda-feira (20). A medida, divulgada nesta quinta-feira (16), se deve à atual situação do abastecimento de água na cidade. Formiga é o primeiro município mineiro a emitir o alerta máximo. A cidade também já adota multas para quem abusar do uso de água.
 
De acordo com a prefeitura da cidade, a determinação de suspender as aulas ocorreu nesta manhã durante uma reunião entre o prefeito Moacir Ribeiro e representantes da Secretaria Municipal de Educação e da Inspetoria de Ensino. A Superintendência Regional de Ensino estuda se as aulas nas escolas estaduais de Formiga serão suspensas.
 
A prefeitura informou ainda que o funcionamento das creches municipais não sofrerá alteração.
 
“Estamos enfrentando uma seca histórica em Formiga. O nível da vazão de água nunca esteve tão baixo no Saae. O momento é realmente de calamidade. É hora de unirmos forças para enfrentarmos essa situação. A Administração Municipal está fazendo todo o possível para minimizar os impactos da seca sobre a população de Formiga. Contamos com o apoio, a união, a compreensão, a solidariedade e a paciência de todos os formiguenses”, disse o prefeito Moacir Ribeiro.
 
O documento assinado, nessa terça-feira (14), informa que a captação de água no rio Formiga reduziu de 200 litros por segundo de água para 98 l/s. Além disso, produtores rurais estão sendo orientados a reduzir as intervenções no curso d'água e seus afluentes. A seca no município já provoca um prejuízo de R$ 15,7 milhões na produção de alimentos e criação de gado local. 
 
Poço da Santa Rita
 
O Saae de Formiga restaurou o poço artesiano localizado na antiga Indústria Santa Rita, localizada às margens da MG-050. O poço tem uma vazão alta para a região de Formiga, com 30 mil litros de água por hora. Todos os caminhões-pipa do Saae passam agora a ser abastecidos nesse local. “Continuamos em situação crítica. O poço na Santa Rita ajudará, mas não resolve o problema. Precisamos continuar contando com a contribuição de todos”, comentou o diretor do Saae, Ney Araújo.
 
A população também poderá ir buscar água nesse poço. Funcionários ficarão no local para fazer o fornecimento durante o dia. O Saae não permitirá que essa água seja usada para fins comerciais.
 
A perfuração de pelo menos quatro poços artesianos na cidade prossegue. A vazão do poço feito no Jardim das Acácias surpreendeu e chegou a 30 mil litros por hora também. Essa água será interligada à rede para abastecer a região do bairro Nossa Senhora de Lourdes, uma das mais prejudicadas pela atual situação.