De janeiro do ano passado ao último dia 19, 3.415 desaparecimentos foram noticiados à Polícia Civil, apenas na capital mineira. O número total de pessoas atualmente procuradas pela Divisão de Pessoa Desaparecida, referente a períodos anteriores, porém, é uma incógnita. Não há registros atualizados. A falta de informação aumenta a angústia de quem passa os dias em busca do paradeiro de parentes e amigos.
 
Segundo Dagoberto Alves Batista, titular da divisão – que concentra os desaparecimentos registrados por delegacias de outras regiões do Estado – , o fato de as famílias não darem baixa nos processos quando o “procurado” retorna para casa de forma voluntária ou após ser encontrado pelos próprios parentes justifica a defasagem de dados.
 
Batista ressalta que, mesmo com tais entraves, muitos casos são solucionados. Dados da Secretaria de Estado de Defesa Social (Seds) apontam 2.035 pessoas, entre adultos e crianças, localizadas em Belo Horizonte no mesmo período.
 
 
MANIFESTAÇÃO
 
Neste sábado (23), parentes e amigos de pessoas desaparecidas vão fazer um protesto na Praça 7. O objetivo é alertar pais e autoridades sobre o problema, sobretudo quando as vítimas são crianças. A manifestação é a terceira do ano em Belo Horizonte. 
 
“Estamos cansados do descaso, da ineficiência, da falta de estrutura e da desorganização dos governos”, diz a auxiliar administrativa Priscila Ágata, de 25 anos, voluntária em uma organização não governamental. 
 
Para a família de Juraci Emílio da Silva, hoje com 46 anos, o drama já dura oito anos. A sobrinha Fabiana Quintão Eremita atribui a falta de informação aos “poucos esforços da polícia” para localizar o tio. 
 
“No começo, recebemos informações de cidades por onde ele teria passado. Fomos a vários locais procurá-lo. Hoje, a maioria (da família) não tem esperança de encontrá-lo vivo, mas eu ainda tenho”. 
 
 
DESDÉM
 
Após o desespero de não saber o paradeiro do irmão por 13 dias, o autônomo Emerso Costa só conseguiu encontrá-lo morto, no ano passado. O rapaz desapareceu quando estava internado em uma clínica. A procura pelo irmão foi uma via sacra por hospitais, delegacias de Belo Horizonte e municípios vizinhos. 
 
“Foi muito difícil, e a polícia não me ajudou. Parecia que estavam fazendo um favor”, reclama.
 
 
Página em rede social ajuda a achar 4 pessoas
 
Nas redes sociais, pessoas também se unem em grupOs e páginas para localização de desaparecidos. O grupo Pessoas Desaparecidas em Minas Gerais tem quase 4 mil participantes no Facebook. 
 
Desde a criação, há um ano, foram localizadas quatro pessoas graças as informações coletadas por meio da internet. “O objetivo é solidarizar com essas pessoas e promover a busca de desaparecidos”, diz o estudante Jullian César, fundador do grupo. 
 
A Copasa, desde 2004, publica fotos de pessoas sumidas nas contas de água. Desde 2001, a BHTrans também registra, no Jornal do Ônibus, duas fotos quinzenais. O site www.desaparecidos.mg.gov.br é outro meio de divulgação, que reúne fotos e informações. 
 
 
SAIBA MAIS
 
Orientação aos pais
 
..Oriente os filhos a não aceitar doces, presentes ou qualquer outro objeto de estranhos, a não ser com prévio consentimento dos responsáveis.
..Mantenha bom relacionamento com a vizinhança.
..Procure conhecer as pessoas que convivem com seu filho.
..Participe ativamente de eventos da criança, como aqueles ocorridos em escolas e aniversários.
..Ensine seu filho o nome dele completo, o endereço, o telefone e os nomes dos pais e irmãos.
..Não autorize que ele brinque na rua sem a supervisão de um adulto conhecido.
..Evite deixá-lo em casa sozinho.
..Providencie a carteira de identidade do seu filho.
 
Para registrar casos de desaparecimento, basta comparecer à delegacia mais próxima ou à divisão de referência. Não há um prazo mínimo para dar queixa, como muitas pessoas acreditam. 
 
A partir do dia 30 deste mês, os casos também poderão ser registrados na Delegacia Virtual. Para utilizar o serviço, será preciso acessar o site delegaciavirtual.sids.mg.gov.br (sem www) ou os links de atalho no site da Polícia Civil. 
 
Por meio do 0800 28 28 197, a população pode passar informações de pessoas desaparecidas. 
 
Fonte: www.desaparecidos.mg.gov.br