A Independência do Brasil se deu no dia 7 de setembro de 1822. Mas o Brasil tentou se libertar de Portugal em outras ocasiões. A mais famosa tentativa foi a Inconfidência Mineira, que foi desmantelada pela Coroa Portuguesa em 1789 (mesmo ano da Revolução Francesa), e que teve a cidade de Ouro Preto como seu principal palco.

Este é o propósito dos roteiros que vamos sugerir nesta edição: percorrer as cidades que tiveram participação no movimento de independência do país em relação ao Portugal.

Começamos este “curso de História in loco” em Ouro Preto e região (pois além da antiga Vila Rica, também Mariana e Ouro Branco tiveram sua importância, sendo esta última o local onde está a casa onde Tiradentes viveu.

Ouro Preto e Mariana são as cidades com maior patrimônio histórico, arquitetônico e artístico da região do Circuito do Ouro, assim como Tiradentes. Elas prosperaram na época do Ciclo do Ouro (entre finais do século XVII e fins do século XVIII).

De preferência, passe um final de semana ou um feriado prolongado nelas. Além dos museus, monumentos e igrejas, as duas cidades têm uma vida noturna interessante e boa gastronomia.

Comece pela mais conhecida de todas, Ouro Preto, a antiga Vila Rica, segunda capital de Minas Gerais (a primeira foi Mariana). A pouco menos de 100 quilômetros de BH, Ouro Preto é simplesmente fascinante. Poucos lugares no mundo reúnem um patrimônio histórico, artístico e arquitetônico tão vasto, importante e valioso como esta cidade.

Velha Mariana
Uma forte “adversária” de Ouro Preto está logo ali ao lado. É Mariana, a mais antiga cidade de Minas e a primeira capital do Estado.

Embora parte de seu patrimônio histórico tenha sido afetada pela modernização (graças, principalmente, às indústrias que lá se instalaram há algumas décadas), você vai encontrar importantes tesouros arquitetôni-cos, como a bela Catedral da Sé (construída de 1709 a 1760), uma das mais ricas do Brasil, com seu raro órgão alemão Arp Schnittger, de 1701 (há recitais todas as sextas e domingos); e o impactante conjunto quase tricentenário da Praça Minas Gerais, com as igrejas de São Francisco de Assis (1763/1794) e do Carmo (1784/1814), junto com a Casa de Câmera e Cadeia.