Dez integrantes de uma quadrilha foram presos ao longo desta terça-feira (13) após a explosão de um caixa eletrônico nesta madrugada em Santa Maria de Itabira, região Central de Minas Gerais. Segundo a Polícia Militar (PM), R$ 36 mil foram recuperados na operação realizada em conjunto com policiais de Itabira, Ferros, Santa Maria de Itabira e com auxílio de uma aeronave de Belo Horizonte. 
 
De acordo com o sargento do 26º Batalhão de PM, Charleston José Demétrio da Silva, a quadrilha teria rendido um frentista que trabalha próximo à agência do Bradesco em Santa Maria de Itabira e explodiram um caixa eletrônico do banco. Em seguida, eles liberaram o funcionário do posto de gasolina e fugiram em um Fiat Punto. Não se sabe ainda se havia outro veículo.
 
Já ao longo desta terça-feira, militares de Ferros acionaram policiais de Itabira para informar sobre a localização de um Fiat Punto abandonado na zona rural do município, em uma localidade conhecida como Brejaúba. O veículo seria o mesmo que teria participado da explosão ao caixa e teria ainda queixa de roubo.
 
Os militares então seguiram até a região e localizaram a quadrilha em uma casa alugada na área rural. Entretanto, ao notarem a aproximação da PM, os suspeitos tentaram fugir se embrenhando por um matagal da região. Mas, após horas de rastreamento e troca de tiros com os policiais, nove pessoas foram presas e R$ 26 mil recuperados. Um revólver calibre 38 também foi encontrado com um dos suspeitos.
 
Ainda conforme o sargento Charleston José, durante a troca de tiros, um dos suspeitos, identificado como Thiago Reis de Matos, foi baleado no braço. Ele foi atendido em uma unidade de saúde de Itabira antes de ser autuado em flagrante e encaminhado à Delegacia de Polícia Civil da cidade. De acordo com a PM, o suspeito seria de Ribeirão das Neves, onde tem um mandado de prisão preventiva em aberto por porte ilegal de arma de fogo. 
 
Outro homem identificado como Lauro Damaceno dos Santos também seria de Neves, enquanto pelo menos outros cinco seriam de Brejaúba. Dois dos suspeitos seriam adolescentes, sendo um de 17 anos, e uma jovem de idade não revelada. Três deles foram presos posteriormente e ainda não chegaram à sede do Batalhão da PM em Itabira.