Os montes de lixo que se acumularam por dois dias nos passeios de Belo Horizonte deverão ser recolhidos até a manhã desta quinta-feira (8). Terminou nesta quarta-feira (7) a greve dos garis terceirizados e o serviço seria restabelecido a partir de oito horas desta noite.
 
Devido à paralisação, o cenário por toda a cidade, principalmente na região Centro Sul da capital, ainda é de conviver com um lixão, já que sacolas de rejeitos formam montanhas pelas calçadas. Segundo a Superintendência de Limpeza Urbana (SLU) de BH, 38% da coleta domiciliar deixou de ser realizada.
 
O recolhimento foi feito apenas nas regiões Noroeste, Norte, Pampulha e Venda Nova. O resto de BH ficou sem a coleta. Do total de 144 distritos, apenas 54 foram atendidos. Na manhã desta quarta, um pequeno número de garis efetivos da SLU e terceirizados atuaram nos pontos críticos do Hipercentro, como a rua dos Caetés e Savassi.
 
Segundo o Sindicato dos garis e varredores (Sindeac), Paulo Roberto da Silva, a adesão foi de 100% dos 4 mil terceirizados. Já a SLU calculou 608 profissionais parados. Não ficou decidido se os 1.400 coletores efetivos, que fazem o recolhimento hospitalar, também retornarão aos trabalhos.
 
O acordo, intermediado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT), terminou em um reajuste aumento de R$ 1.100, ticket refeição de R$ 20/dia, vale cesta básica em R$ 129,60, além de um adicional por insalubridade de R$ 289, totalizando vencimentos de aproximadamente R$ 2 mil.
 
“Foi um acordo razoável. A prefeitura pediu na reunião que não façamos novas greves ou manifestações dentro de seis meses, mas é uma decisão de assembleia”, revelou Paulo Silva.