Uma mulher de 55 anos foi presa pela Polícia Civil nessa terça-feira (28), apontada como a maior estelionatária da Zona Sul de Belo Horizonte. Andrea Brant Ladeira teria feito pelo menos 18 vitimas, para manter o alto status social, com cheques roubados.

Segundo o delegado Samuel Neri, da 3ª Delegacia de Polícia Sul, a mulher confessou praticar os golpes há anos. Ela comprava folhas de cheque em branco, roubados de viciados em drogas no Morro do Papagaio. Ela escolhia comércios de pequeno porte para cometer os crimes.

Com os cheques, ela falsificava assinaturas e comprava itens de luxo, como roupas, maquiagens, além de itens para a sua casa, na mesma rua da delegacia, no bairro Sion. Andrea chegava a fazer cadastro nas lojas usando, por vezes uma identidade falsa e outras o nome verdadeiro.

Por meio das denúncias, o delegado Samuel Neri disse que os dados da mulher foram cruzados e conseguiram chegar na estelionatária. “Ela foi casada com um homem de muitas posses no passado e se divorciaram. Após isso, ela quis manter o nível social e cometeu esses crimes. É uma pessoa com compulsão por compras”, disse o delegado.

Na casa da mulher foram encontradas atestados médicos em branco, inclusive três do Hospital Militar. Ela teria comprado as folhas na Praça 7 e também furtado os documentos na unidade de saúde. Um carimbo falso de um médico também foi localizado. Andrea usava os atestados para justificar sua falta em intimações da polícia.

O companheiro da mulher, que é um policial militar, foi inocentado da participação dos crimes. A investigação está em curso há seis meses, mas segundo o delegado, mais vítimas devem aparecer após a divulgação da estalionatária. Andrea Brant não quis falar com a imprensa durante sua apresentação.