Quais características ajudariam a desenhar a cidade ideal? Em cinco tópicos, profissionais do Conselho Regional de Engenharia e Agronomia de Minas Gerais (Crea-MG) identificaram problemas, mas também apontaram soluções que poderiam transformar Belo Horizonte em um lugar melhor de se viver.
 
As propostas integram um documento que será entregue à prefeitura até o fim do ano, como sugestão para balizar políticas públicas. Outras administrações municipais, o Estado e a União também terão acesso ao documento.
 
A necessidade de investimentos em conscientização ambiental é um dos pontos mais evidentes, defende o engenheiro agrônomo Gustavo Freitas, um dos especialistas convidados a participar de debates promovidos pelo Crea. “O tema poderia ser introduzido ao currículo escolar, em um longo trabalho de formação cidadã”, diz ele.
 
Ainda no quesito “meio ambiente”, a universalização da coleta seletiva, hoje disponível a apenas 30 bairros, é apontada como essencial, assim como uma fiscalização mais rígida em relação à destinação dos resíduos da construção civil. “O lixo produzido deveria ir para usinas de reciclagem, que fazem a seleção e até reaproveitam materiais como brita, areia e azulejo”, afirma Freitas.
 
Trânsito
 
Uma cidade de “alto padrão” também precisa ser pautada por um projeto de desenvolvimento urbano capaz de garantir fluidez no trânsito, e a longo prazo. Na semana passada, o Hoje em Dia mostrou que intervenções caras, como a construção de pontes, ficam obsoletas em menos de seis meses, pois são mal dimensionadas em relação ao constante aumento da frota.
 
“As avenidas estão engarrafadas. A sincronização dos semáforos e a especificação de horários para carga e descarga nos grandes corredores urbanos ajudariam a dar mais fluidez ao trânsito”, aponta o arquiteto e urbanista José Abílio Belo Pereira.
 
Ele cita, ainda, a necessidade de que as futuras obras públicas sejam melhor elaboradas. “Hoje, leva-se seis meses para aprovar um projeto e dois anos para fazer uma obra. O ideal seria despender mais tempo na primeira etapa, eliminando o máximo de erros, para que a obra seja feita mais rapidamente, atendendo à demanda da população”. 

arte


Leia mais na Edição Digital