A polícia está à procura de dois suspeitos que renderam um funcionário da Cemig para fazer mais um arrastão em um prédio de Belo Horizonte, nesta sexta-feira (19). Apenas nos meses de janeiro e fevereiro deste ano, 475 crimes do tipo foram registrados pela Polícia Militar na capital. 
 
Nessa ocorrência, para entrar no prédio que fica na rua Patagônia, no bairro Sion, na região Centro-Sul, dois homens fortemente armados renderam um funcionário, que presta serviço para a Cemig, no momento em que ele entrava no condomínio para fazer a leitura da energia. O porteiro também foi feito refém. 
 
Após imobilizar as vítimas, os suspeitos pegaram o elevador e invadiram três apartamentos, que abriram as portas quando a campainha foi tocada. Durante o tempo em que eles ficaram nos imóveis, foram roubados joias, aparelhos eletrônicos e dinheiro dos moradores. De acordo com os militares do 22º Batalhão, durante a ação, moradores e funcionários foram ameaçados. As testemunhas informaram que os suspeitos estavam bem vestidos e tinham boa aparência. Com as características dos bandidos, os militares realizaram buscas na região, mas até o momento nenhum suspeito foi preso. Ninguém se feriu. 
 
No início deste mês, moradores de um prédio no bairro Coração Eucarístico, na região Noroeste, vivenciaram a mesma situação. Quatro homens invadiram o prédio e fizeram foi um arrastão. Para entrar, os bandidos renderam a síndica do Residencial Villagio de Diamante quando ela saía para colocar o lixo na rua.
 
Os criminosos entraram com a vítima no edifício e tocaram a campainha de outros moradores, que, ao reconhecerem a síndica, acabavam abrindo a porta. Os ladrões renderam moradores de seis apartamentos e roubaram joias, celulares e notebooks. A ação durou duas horas. Em março, 12 apartamentos de um prédio no Castelo, na Pampulha, foram roubados. Os ladrões renderam 18 pessoas no imóvel. Criminosos levaram joias, aparelhos eletrônicos e dinheiro.