A polêmica manobra entre Nico Rosberg e Lewis Hamilton no Grande Prêmio da Bélgica segue rendendo discussões e troca de acusações. Líder do Campeonato, o alemão saiu atrás do inglês na largada, e, ao tentar ultrapassá-lo, logo na segunda volta, acabou tocando sua asa no carro de seu companheiro de Mercedes, que acarretou no furo do pneu traseiro e no consequente abandono do vice-líder do Mundial na prova belga.

"Naquele momento, eu estava mais rápido. Surgiu a oportunidade e eu tentei por fora, porque por dentro não dava. Não vi nenhum risco na manobra, então porque não deveria ter tentado?", questionou Rosberg.

Para o segundo colocado em Spa-Francorchamps, a decisão dos comissários deve ser respeitada. "Assim como os comissários entenderam que foi um incidente de corrida, é dessa forma que pode ser descrito", limitou-se a responder.

A versão de Rosberg se contradiz com a de Hamilton. Incomodada com o incidente envolvendo seus dois pilotos, a Mercedes os convocou para uma reunião emergencial, a fim de acalmar os ânimos. Após o encontro, o inglês disse à imprensa que o alemão "basicamente confirmou que o toque foi proposital".