Atual tricampeão mineiro, o hóquei in line do América navega em águas calmas. O time disputa ano a ano com o Eldorado Vipers a hegemonia no estado na modalidade esportiva, além de ser um dos mais fortes times do país. E a relação com a torcida já está afinada.

"É muito gratificante pra equipe. Nos identificamos com a torcida, que é mais familiar, pessoas de bem. É uma torcida muito carinhosa. Quando o América subiu para a Série A, fizemos uma volta olímpica no estádio, porque também subimos para a primeira divisão no hóquei. Sempre aparece torcedores do América em nossos jogos", comentou Luiz Koenen, dirigente responsável pela equipe e também jogador.

Para se ter uma ideia da força do time mineiro, o América mandou para a Seleção Brasileira, que no último ano disputou o Mundial FIRS de hóquei, dois atletas. Luiz Koenen, jogador de linha, e o goleiro Wellington Silva representaram a equipe brasileira no cenário mundial, terminando com o vice-campeonato - o Brasil perdeu para a Alemanha na final.

"Em 2012, fomos os únicos representantes do Mundial. Este ano fomos convocados de novo e estamos confirmados para disputar o mundial FIRS em julho na Califórnia. Representamos o Brasil no Sulamericano da IHAF em dezembro, na Argentina", definiu Koenen.

Ainda sem apoio financeiro da diretoria do Coelho, os atletas mantêm orgulhosos o nome do clube, tendo, atualmente, duas equipes disputando as competições de hóquei in line. Agora, os planos futuros envolvem a criação de uma associação, para, assim, tentar conseguir um auxílio com o Coelho.

"A princípio só temos direito ao uso do nome. Mas só o fato de termos o nome, já atraí mídia e nos ajuda. Temos patrocínio privado da Luziana Lanna Buritis, Oi Venda Nova. Pretendemos criar uma associação para os atletas e o objetivo é conseguir uma verba de auxílio para a manutenção da equipe de hóquei in line do América", disse.