Como controlar a ansiedade diante de uma partida decisiva como a de terça-feira (28), às 21h30, contra o Palmeiras, no Mineirão? Esse vem sendo um desafio ao lateral-esquerdo Guilherme Arana. Nesta segunda (27), ele admitiu estar “sofrendo” com essa situação e relatou o que o ajuda a atingir um certo grau de tranquilidade: aulas de cavaquinho.

"Estou bastante ansioso, o que é normal, já que é uma decisão. Minha preparação é sempre tranquila, procuro ficar com meu filho, estou fazendo aula de cavaquinho, faz minha cabeça estar em outro lugar. Estou me cuidando, me alimentando bem, mas mesmo assim é inevitável você não pensar no jogo. Assim como o torcedor, estou bastante ansioso, mas amanhã espero estar bem tranquilo para desempenhar um bom futebol", afirmou.

O lateral garante que o nervosismo ficará fora de campo nesta terça. "É manter a calma. Estamos um pouquinho ansiosos porque é uma decisão, o que é normal. Temos que deixar isso um pouco de lado. Quem tiver mais tranquilidade e errar menos terá êxito na partida", disse.

E deu a “receita” para o Galo ficar com uma vaga na final da Libertadores. "Precisamos fazer coisas que não fizemos no primeiro jogo (empate em 0 a 0 no Allianz Parque). É colocar isso em prática no treino e amanhã fazer um excelente jogo para conseguir a classificação. (…) Mesmo trabalho, mesmo foco, solidez na parte defensiva e tranquilidade no terço final de campo na parte ofensiva", comentou.

Atlético

Torcida

Assim como nos 3 a 0 sobre o River Plate, pelo confronto de volta das quartas de final, o time alvinegro contará com sua torcida no Mineirão.

"Jogar com torcedor é diferente, energia diferente, você entra a 200 por hora. A gente se acostumou a jogar sem público, infelizmente por conta da Covid-19, muito triste. Mas a volta do torcedor é uma energia nova, é um jogador a mais dentro de campo”, declarou Arana.

Leia mais:
Atlético busca 16ª vitória no Mineirão na história da Libertadores; confira o retrospecto do Galo
Atlético pode encerrar a Libertadores com mais de R$ 120 milhões de premiação
Galo defende invencibilidade de 12 jogos seguidos em Libertadores contra visitante indigesto