Apesar dos resultados positivos não fazerem parte da rotina alviverde, Vagner Mancini vê no América um time "coeso, com entendimento de jogo e difícil de ser batido" e que tem "campo para melhorar". Por outro lado, algumas situações têm sido cruciais para o Coelho não conseguir deixar a zona do rebaixamento do Brasileiro, segundo o treinador. Uma deles, é o fator psicológico.

"Tem que se entrar na mente do atleta, fazer com que entenda a ter a frieza necessária (para concluir uma jogada). Às vezes, a ansiedade atrapalha. Temos que seguir o trabalho", comentou o treinador.

E prossegue: "O 'fazer o gol' é muitas vezes um gesto técnico daquilo que se apresenta. E podemos fazer uma série de treinamentos na semana, mas na hora da execução do jogo, o cara precisa estar frio para botar a bola para dentro. Não é fácil fazer gol. Há goleiros bem treinados. Tem que ter qualidade acima da média para transformar essa bola em gol".

Ele acredita ainda que, nos quesitos disciplina tática e volume de jogo, o América não foi inferior a nenhum de seus adversários mais recentes.

"Mesmo nas derrotas para o Atlético, Sport e Bragantino, nos empates que tivemos e na vitória sobre o Fluminense, o América não esteve abaixo (dos oponentes) nas partidas. Em nenhum jogo, o América foi inferior. E isso dá alento para seguir em frente", afirmou.

Leia mais:
Presença de torcedores nos estádios fica suspensa por ‘prazo indeterminado’ em BH
Com Mancini, América tem mais derrotas que vitórias, mas aproveitamento de time fora do Z-4
Retrocesso: América perde para o Bragantino, estaciona na vice-lanterna e se complica ainda mais

 

América

Leia Mais:
Secretário de Saúde de BH acredita que Galo x Palmeiras tem chance de receber torcedores no Mineirão
Atlético não amplia recorde de vitórias, mas aumenta longa invencibilidade no Campeonato Brasileiro
Com Mancini, América tem mais derrotas que vitórias, mas aproveitamento de time fora do Z-4