O boxeador baiano Hebert Sousa nocateou o favorito e então campeão olímpico, o ucraniano Oleksandr Khyzhniak, e conquistou a medalha de ouro na categoria até 75 quilos no boxe dos Jogos Olímpicos de Tóquio. A vitória de Hebert veio após uma luta que se arrastava para uma derrota certa por pontos. Nos dois primeiros rounds, o adversário usou a estratégia de imprimir socos rápidos e evitar a distância com o boxeador brasileiro. No último round, Hebert partiu para o tudo ou nada e, com uma sequência de um jab e um cruzado de esquerda, levou o atual campeão à lona.

"Eu dei sorte, encaixei e foi nocaute. Não tenho tantos nocautes, mas treino muito para isso. É difícil falar a sensação, é incrível, uma emoção muito grande, senti a energia de todo mundo que estava torcendo. Eu pensei durante os rounds que tinha muita gente mandando energia por esse nocaute. Eu acreditei que eu podia e que bom que aconteceu, eu fui premiado e a gente merece”, afirmou o boxeador, segundo o site do Time Brasil do Comitê Olímpico Brasileiro.

Após o golpe certeiro, Hebert nem esperou pela decisão do árbitro e comemorou, pulando de corner a corner e gritando para as câmeras de televisão. Já Khyzhniak chegou a se levantar, cambaleando, e fez de tudo para provar que estava bem para continuar, com suas palavras ao árbitro sendo abafadas pelos gritos do brasileiro. "Não entendi a decisão. Não é que eu poderia ter continuado, eu continuei. Eu levantei rápido, mas foi finalizado”, lamentou o boxeador ucraniano.

Chance de mais um ouro

E o Brasil pode garantir mais um ouro no boxe olímpico. A atual campeã mundial e favorita Bia Ferreira vai enfrentar a irlandesa Kellie Anne Harrington na categoria até 60 kg. A luta está programada para começar às 2 horas deste domingo (no horário de Brasília). Além de Hebert e Bia, o Brasil conquistou mais uma medalha em Tóquio. O feito foi alcançado pelo pugilista Abner Teixeira que conquistou o bronze da categoria até 91 kg.

Medalhas consecutivas

As três medalhas já asseguradas pelo boxe brasileiro nos Jogos de Tóquio fazem com que o esporte continue a escalada de conquistas olímpicas consecutivas. Desde os Jogos de Londres, em 2012 o Brasil subiu ao pódio na modalidade. Nos Jogos disputados na capital britânica, foram três medalhas - uma prata e dois bronze. Já nos Jogos do Rio de Janeiro, quatro anos depois, foi alcançada a inédita medalha de ouro com Robson Conceição. Até então, a única conquista olímpica havia sido a medalha de bronze conquistada por Servílio de Oliveira em 1968, na Cidade do México.

* Com informações da Agência Brasil