O sucesso do Atlético na temporada é constantemente associado a uma reclamação de Hulk no dia 24 de abril, quando, publicamente, exigiu uma série de partidas como titular: “Desde que o professor Cuca chegou aqui, acho que não tive uma sequência de três, quatro jogos seguidos”. Desentendimento que precedeu capítulos vitoriosos do Galo e uma “amizade”, como destaca Cuca. 

“Quando se inicia um trabalho, você precisa de tempo para conhecer os jogadores, posicioná-los da melhor forma. E o atleta às vezes não tem a paciência de entender uma substituição ou outra, quer jogar, pegar ritmo. E é natural que haja um descontentamento, como houve. O ideal é que se resolva internamente. Em naquele episódiom cada um expressou sua ideia e sua opinião. Nos entendemos, como profissionais que somos. Dá para dizer hoje que somos amigos”, afirmou o treinador.

E prosseguiu: “Dentro do futebol é difícil ter amigos. Tenho o Hulk como um amigo, assim como todos do plantel. O ambiente nosso é muito bom, de pura amizade”.

Amizade essa que vem rendendo bons frutos ao Atlético dentro de campo. Daquele episódio polêmico para cá, o Alvinegro conquistou o Mineiro, está nas quartas de final da Libertadores, é vice do Brasileirão e largou na frente contra o Bahia nas oitavas da Copa do Brasil.
 
Individualmente, Hulk é o artilheiro do Galo na temporada, com 16 gols. “Não se trata de dependência (do Hulk). Quando ele não jogar, teremos outros que também vão atuar bem. Mas tomara que ele continue nessa batida, jogando sempre e nos ajudando como tem feito”, comentou o técnico.

Atlético

Hulk anotou três gols em dois jogos contra o Bahia, no Mineirão