Nessa quinta-feira (22), o diretor de Futebol do Cruzeiro, Rodrigo Pastana, disse que o clube não pensa em algo que não seja o acesso à Série A do Brasileiro ainda neste ano, mesmo ciente que o time está na zona de rebaixamento da Segundona e não vence há sete partidas. Já o zagueiro Brock teve um discurso mais comedido nesta sexta (23), sem deixar de acreditar na busca por uma vaga na elite.

De acordo com o defensor, a Raposa só pode falar em G-4 a partir do momento que conseguir emplacar uma série de vitórias, algo que não aconteceu uma vez sequer em 13 rodadas disputadas. Por isso, o objetivo atual é simplesmente o de vencer o Vila Nova-GO, neste sábado (24), às 16h30, no estádio Oba, para, quem sabe, iniciar uma volta por cima.

“Claro que existe um sentimento de indignação pelo que está acontecendo, porque a gente vê uma equipe que não está transformando a qualidade que tem em resultado. Obviamente a gente pensa no acesso. Mas neste momento temos que pensar no próximo jogo. É conseguir uma vitória, começar a galgar algo e contar com o apoio de todos os torcedores. É pensar primeiramente no Vila Nova e só depois na partida seguinte. E aí sim, quando nos estabelecermos na competição e chegar a um local que desejamos na tabela, falar em acesso”, comentou o zagueiro.

Brock afirmou ainda que o Cruzeiro vive “um peso de responsabilidade”. Em outras palavras, ele e os demais atletas não conseguem entender o porquê de não conseguirem traduzir em triunfos o trabalho desempenhado no dia a dia na Toca. 

“Existe uma cobrança entre nós, jogadores. Somos nós quem entramos (em campo) e temos que resolver. (...) É um momento difícil, mas vai passar, com trabalho, seriedade e honestidade. E este duelo (contra o Vila) é importante para começar uma virada dentro da competição”, declarou.

Cruzeiro

Leia Mais:
América está próximo de acertar a contratação do lateral-direito Patric, ex-Atlético e Cruzeiro
Pressionado, Cruzeiro busca triunfo sobre o Vila Nova para não superar um mês sem vitória na Série B
Diretor do Cruzeiro diz que 'estranhou' invasão na Toca II, mesmo após reuniões com organizadas