Seis meses após sofrer com um surto de Covid-19, que atingiu jogadores, comissão técnica e demais funcionários, o Atlético pôde vacinar boa parte dos colaboradores ligados ao futebol.

Depois de vencer o Cerro Porteño-PAR por 1 a 0, em Assunção, nessa quarta-feira (20), em Assunção, pela Copa Libertadores, a delegação do Galo recebeu a primeira dose da vacina do laboratório chinês Sinovac, na capital paraguaia.

Além do staff alvinegro, 34 jogadores viajaram para o país vizinho, e receberam o imunizante.

O registro da vacinação foi publicado nas redes sociais do presidente da Conmebol, Alejandro Domínguez. Nas imagens, o técnico Cuca, o meia Nacho Fernandéz, o zagueiro Junior Alonso e o atacante Eduardo Vargas aparecem sendo vacinados (confira abaixo).

A entidade máxima do futebol sul-americano recebeu o a doação de 50 mil doses pelo laboratório, e está as destinando para os clubes e seleções que disputam as competições no continente.

As equipes brasileiras, como a legislação tupiniquim prevê que caso as vacinas entrem em território nacional, devem ser encaminhadas ao SUS, tem que receber o imunizante em outro país. O Uruguai mediou essa doação. Lembrando que Assunção abriga a sede da Conmebol.

Além do Galo, o Athletico-GO aceitou a oferta de vacinação. Já Fluminense, Ceará e Internacional rejeitaram a oferta.

A Conmebol estuda um plano para promover a aplicação da segunda dose da vacina. 

Surto em novembro

Em novembro do ano passado o Atlético sofreu com um surto de Covid-19 que atingiu jogadores e funcionários. Na ocasião, mais de 30 casos positivos foram diagnosticados no Alvinegro.

Felizmente, o clube não informou nenhuma complicação posterior da doença nos colaboradores.

Entretanto, o lado esportivo foi afetado, com o Galo tendo que atuar bastante desfalcado entre o final do primeiro turno e o início do returno do Brasileiro.  Nos jogos em questão, o Alvinegro, postulante ao título brasileiro, deixou pontos importantes pelo caminho.