Trocar uma equipe de Série A por uma de Série B não é incomum, mas pode surpreender a quem analisa essa situação de forma mais superficial. É o que deixa claro o zagueiro Eduardo Brock, apresentado como reforço do Cruzeiro nesta sexta-feira (26), após se despedir do Ceará.

“Tendo um convite de um clube gigante como o Cruzeiro, para poder ajudar e fazer parte da história num ano tão importante, é um convite especial e irrecusável. Venho para crescer na minha carreira, aprender e evoluir mais”, destaca.

E, independentemente de ser titular ou não, promete colaborar dentro e fora de campo. “Vou me dedicar 100% ou mais que 100%. Quero jogar, mas nunca vou desrespeitar um companheiro meu. Todo mundo vai trabalhar bastante e ter o direito de uma oportunidade. A partir disso, o treinador toma a melhor decisão para a equipe. E quem estiver fora vai continuar trabalhando, pois, a oportunidade vai aparecer”, diz.

Juntamente com sua experiência, traz na bagagem um acesso à Primeira Divisão, obtido em 2017 com o Paraná. E logo em seus primeiros dias na Toca, Brock afirma haver semelhanças entre o Cruzeiro de agora e o clube paranaense daquela época.

“Falando sobre 2017, foi um grande ano para minha carreira e para o Paraná. Começamos o ano com direção, jogadores e torcedores em sinergia. Assim como está sendo aqui. Desde que cheguei se comprova que um clube como o Cruzeiro não pode estar numa Série B. As condições de trabalho que oferece são sensacionais”, comenta.

Cruzeiro