Assim como grande parte do time do Atlético, Hyoran apresentou uma queda brusca de rendimento na reta final do Brasileirão, curiosa e ironicamente na mesma época em que o clube informou ao Palmeiras a compra dos direitos econômicos do atleta, uma exigência do técnico Jorge Sampaoli. Se janeiro deste ano reservou os melhores momentos do jogador com a camisa do Galo, fevereiro representou a antítese da então boa fase.

No mês passado, Hyoran deu sequência ao trabalho positivo demonstrado nos 2 a 0 sobre o Coritiba, em 28 de dezembro, quando colaborou com um golaço. Em janeiro, deixou sua marca nos 3 a 1 em cima do Atlético-GO, nos empates em 2 a 2 com Bragantino e 1 a 1 com o Grêmio e no revés para o Vasco, por 3 a 2. Diante deste último, ainda deu uma assistência para Sasha (apesar de ter desperdiçado uma cobrança de pênalti).

O último grande momento se deu nos 2 a 0 no Fortaleza, em 31 de janeiro, ocasião em que deu um passe para o tento de Arana. Depois disso, o maestro desafinou.

Após a imprensa noticiar no início de fevereiro que Hyoran teria 50% de seus direitos adquiridos pelo Atlético pelo valor de R$ 7,5 milhões, o jogador participou de três partidas com o uniforme alvinegro. Em nenhuma delas, desequilibrou. Pelo contrário: na derrota por 1 a 0 para o Goiás e nos empates em 0 a 0 com Fluminense e 1 a 1 com o Bahia, se mostrou figura apagada.

No último duelo da equipe, o triunfo por 3 a 2 em cima do Sport, nesse domingo (21), na Ilha do Retiro, Hyoran ficou como opção no banco de reservas – Calebe foi o titular – e não chegou a entrar em campo.

Obviamente, ele não é o culpado de o Atlético ter perdido força justamente na reta final da competição, já que o mesmo ocorreu com tantos outros atletas, além de vários problemas relacionados a Sampaoli. No entanto, essa piora de rendimento ratifica a decisão do Galo em ir atrás de Nacho para ser o ‘10’ da próxima temporada. Situação que pode, inclusive, incentivar Hyoran a se empenhar ainda mais daqui para frente.

Atlético

Hyoran é o vice-artilheiro do Galo no torneio, com oito gols, dois a menos que Keno