O que Bruno Henrique e Breno Lopes têm em comum? Além do fato de serem jogadores profissionais, se enquadram na categoria “dos campos da várzea de Belo Horizonte ao topo da América”.

Enquanto o flamenguista alcançou a glória de conquistar a Libertadores de 2019, o palmeirense sentiu esse gostinho neste sábado (30), justamente na “casa” do avante rubro-negro, o Maracanã.

Lopes foi o autor do gol da vitória do Verdão sobre o Santos, por 1 a 0, garantindo o bicampeonato do time paulista. Uma realidade bem diferente da vivida por ele cerca de oito anos atrás.

Breno alimentava o sonho de ser jogador de futebol, enquanto desfilava seu talento nos campos de várzea da capital mineira, sua terra-natal. Numa época em que tinha o apelido de Breno “Caça-Rato”, por conta do cabelo tingido de loiro, similar ao do ex-jogador Flávio Caça-Rato, iniciou seu sonho após um contato com o empresário Marlon Maranhão. 

O avante passou pelo sub-15 do Cruzeiro. E, artilheiro do Juventude na última Série B, com nove gols, chegou a falar sobre a vontade de defender o Atlético e outros grandes clubes. Foi no Palmeiras onde acabou fazendo história.

Assim como ele, Bruno Henrique também teve seus anos de várzea em BH, mais precisamente no bairro Concórdia, da Vila Tiradentes. Hoje, é considerado um dos grandes atacantes do futebol brasileiro, com passagens pela Europa e Seleção.

Exemplos de que os campos de várzea ainda produzem craques da bola.