A Série B do Campeonato Brasileiro foi uma lástima para o Cruzeiro, por motivos óbvios. Além de não ter conquistado o acesso à elite nacional, o time chegou à antepenúltima rodada com risco de ser rebaixado à Terceira Divisão e, fora de campo, muitos problemas do clube vieram à tona, como atraso de salários. Mas o zagueiro Manoel fez questão de frisar, nesta sexta-feira (22), um ponto positivo: o empenho dos atletas mais jovens em meio a um turbilhão de adversidades que a Raposa vivenciou nesta temporada.

Um dos jogadores mais experientes da equipe e um dos poucos que se “salvaram” da campanha ruim na Segundona, o beque ressaltou o amadurecimento daqueles que estão dando seus primeiros passos no futebol profissional.

"Fico feliz por ajudar o Cruzeiro e poder ajudar os jogadores mais jovens, orientando-os. Vários subiram num momento muito difícil do clube. E os jogadores foram homens pra caramba para honrar a camisa do Cruzeiro. Em toda dificuldade vestiram essa camisa. Os caras se dedicaram do começo ao fim. Ficamos felizes pelos garotos que enfrentaram essa dificuldade para ajudar o clube", afirmou o zagueiro.

Embora admita que será necessária a vinda de atletas mais rodados para a próxima temporada, ele acredita que os jovens que permanecerem darão um salto de qualidade neste ano.

"Pela dificuldade que tivemos na Série B, os mais jovens estarão mais maduros para a próxima competição. Precisamos de jogadores mais experientes e contamos com eles também. Nos ajudaram bastante e precisamos de todo mundo para a próxima Série B", disse.

O Cruzeiro terá mais dois desafios até o fim do campeonato. No domingo (24), às 16h, os celestes recebem o Náutico, no Independência. E na outra sexta (29), às 21h30, visitam o Paraná, no Durival Britto. A Raposa ocupa o 13° lugar, com 47 pontos.

Cruzeiro

Leia Mais:
Depois de duas décadas de Atlético, Domenico Bhering é desligado do clube alvinegro
Para 'reforçar protagonismo da final da Libertadores', última rodada da Série B será antecipada
Em novo acordo, Cruzeiro renegocia com a PGFN parte da dívida ativa da União