A campanha do Cruzeiro no Campeonato Brasileiro da Série B é marcada pela inconstância, o que impediu a aproximação efetiva  do time ao G-4 da competição até o momento. 

Com 44 pontos, na 11ª colocação, os azuis ocupam a parte intermediária da classificação, com chances remotas de acesso e de rebaixamento. 

Tal oscilação no Brasileiro é representada pela discrepância no rendimento da equipe celeste dentro e fora de casa.

Como visitante, as coisas vão muito bem. A vitória por 1 a 0 sobre o Sampaio Corrêa, nessa sexta-feira (8), no Castelão, foi a 8ª da Raposa longe dos seus domínios.

Com 29 pontos conquistados como visitante, os azuis tem a terceira melhor campanha no quesito, atrás apenas dos dois primeiros colocados,  América (32 pontos) e Chapecoense (29 pontos).

Tal desempenho dá um aproveitamento de 56,8% dos pontos disputados nos 17 jogos que realizou fora de casa,  

Para se ter ideia da ótima campanha da Raposa como visitante, tal porcentagem é superior à do Cuiabá, terceiro colocado, com 54 pontos, em termos gerais.

Somando os duelos dentro e fora da capital do Mato-Grosso, o Dourado tem aproveitamento de 54,5% dos pontos.

Calcanhar de Aquiles

Entretanto, o principal motivo que fez com que a Raposa em nenhum momento da competição conseguisse se aproximar dos quatro primeiros, inclusive, ocupando o Z-4 em algumas rodadas, é o desempenho dentro de casa.

Com o empate em 0 a 0 com o CSA, no estádio Orlando Scarpelli, em Florianópolis, também nessa sexta, o Figueirense chegou aos 22 pontos como mandante, jogando a equipe celeste para o posto de quarto pior anfitrião da Série B.

Com 21 pontos, o time estrelado soma cinco vitórias, seis empates e cinco derrotas sob seus domínios, gerando o fraco aproveitamento de 43,75% dos pontos.

Dentro de casa, o Cruzeiro é melhor apenas que Paraná, Botafogo-SP e Oeste, os três últimos colocados, que só não tem a cia da Raposa no Z-4, justamente pelo bom aproveitamento dos azuis fora de casa.

Evidente que os seis pontos perdidos pela punição imposta pela Fifa, em razão de uma dívida com o Al-Wahda, dos Emirados Árabes, pelo empréstimo do volante Denílson, em 2016, são muito lamentados, especialmente nas pretensões de acesso.

Entretanto, os números deixam claro que o maior obstáculo da Raposa nesta Série B vem sendo os resultados ruins nos jogos no Mineirão e no Independência.

Na próxima quarta-feira, os comandados de Felipão terão a oportunidade de melhorar o desempenho em casa, quando vão enfrentar o Oeste, lanterna do campeonato, às 21h30, no Horto.