A Chapecoense é a líder, seguida pelo América, e com o Cruzeiro em terceiro. Estes seriam os três primeiros lugares da classificação da Série B do Campeonato Brasileiro, considerando apenas os pontos conquistados fora de casa – e se a Fifa não tivesse punido os celestes com a perda de seis pontos. Sim, se dependesse apenas do desempenho como visitante, a Raposa seria fortíssima candidata a uma vaga à elite nacional. Mas, claro, que não é só por aí. Se não fossem os vários fracassos acumulados em pleno Mineirão, a equipe não estaria tão longe de seu sonho.

Neste sábado (5), às 21h, o time estrelado, na 15ª posição, com 31 pontos, recebe o Brasil de Pelotas, na 13ª, com 33, pela 26ª rodada da competição, tentando mudar a história negativa que construiu em casa na Segundona, a fim de aumentar as hoje remotas chances de acesso.

Bom’ anfitrião

Dentro de seus domínios, o Cruzeiro perdeu mais que ganhou: soma quatro triunfos, quatro empates e cinco derrotas. O desempenho só é superior ao de Náutico, Figueirense, Botafogo-SP e Oeste, ou seja, os clubes que compõe a zona de rebaixamento.

Dentre os 13 embates na condição de anfitriã, a Raposa não venceu nenhum dos times que ocupam o G-4 da Série B: reveses para Chape (0 x 1), América (1 x 2) e Sampaio Corrêa (1 x 2) e empate (0 x 0) com o Juventude. Mas tão ruim – ou até pior – foram as perdas de pontos para oponentes como CRB (1 x 1), Avaí (0 x 1), Figueirense (1 x 1) e Confiança (1 x 2), em partidas em que os celestes esperavam vencer, mas não obtiveram êxito.

Visitante ‘azedo’

Já fora de casa, a campanha do Cruzeiro é “excelente”, como define o técnico Felipão: seis vitórias, três empates e três derrotas.

Indagado do porquê de sua equipe não conseguir reproduzir no Mineirão o mesmo futebol apresentado em vários momentos como visitante, Scolari, a priori, citou que “neste campeonato ‘Covid’, não existe mandante”, por não haver torcida. 

Depois, admitiu que seu time precisa, sim, fazer valer o fator casa. “Os adversários jogam na casa do oponente com a mesma tranquilidade que atuam em casa e às vezes com mais ousadia. (...) E nós estamos dando a essas equipes a ousadia que precisam, porque tomamos gol aos 3, aos 4, aos 10 minutos. Aí fica difícil. Agora, quando nós saímos à frente e criamos as oportunidades de fazer gols, dificilmente perdemos”, disse.

Lesão

Para este confronto, Felipão não vai poder contar com um de seus principais jogadores, o atacante William Pottker, que teve constatada uma lesão grau 2 no músculo adutor da coxa esquerda.

O mais provável é que Arthur Caike seja escalado como titular do ataque, ao lado de Rafael Sóbis e Airton. (Confira a escalação mais abaixo)

Cruzeiro

CRUZEIRO X BRASIL DE PELOTAS
Motivo:
26ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro
Data: 5/12/2020 (sábado)
Horário: 21h
Estádio: Mineirão
Cidade: Belo Horizonte
Arbitragem: José Mendonça da Silva Junior, auxiliado Rafael Trombeta e Luciano Roggenbaum, todos paranaenses
Transmissão: Premiere

CRUZEIRO
Fábio; Cáceres, Manoel, Ramon e Matheus Pereira; Adriano, Jadsom Silva e Machado (Régis); Arthur Caíke, Rafael Sóbis e Airton
Técnico: Felipão

BRASIL DE PELOTAS
Rafael Martins; Rodrigo Ferreira, Leandro Camilo, Héverton e Alex Ruan; Sousa, Bruno Matias e Matheus Oliveira; Jarro Pedroso, Dellatorre e Bruno José
Técnico: Cláudio Tencati