O Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) informou, nesta quarta-feira (11), que a Justiça aceitou, no último dia 6 de novembro, a denúncia oferecida pelo órgão contra os ex-dirigentes do Cruzeiro, Wagner Pires de Sá e Itair Machado.

De acordo com o MPMG, o ex-presidente e o ex-vice presidente de futebol da Raposa viraram réus nos crimes de lavagem de dinheiro, apropriação indébita, falsidade ideológica e formação de organização criminosa.

Ainda segundo o órgão, o prejuízo estimado em decorrência dessas práticas gira em torno de R$ 6,5 milhões.

Outro lado

Procurado pelo Hoje em Dia para comentar sobre o acolhimento da denúncia por parte da Justiça, Itair Machado se manifestou brevemente.

"Tenho certeza de que agora vou provar minha inocência e mostrar que tudo foi armação política", disse o ex-dirigente da Raposa. 

Wagner Pires de Sá se posicionou por meio de nota, assinada pelos advogados Romeu Rodrigues e Antônio Marcio Botelho.

No texto, os defensores de Pires de Sá afirmam que ainda não tiveram acesso integral aos autos do processo, e reafirmam que o ex-presidente do Cruzeiro, que renuniciou ao cargo em dezembro de 2019, é inocente das acusações. 

Confira a nota na íntegra

"Esclarecemos que não tivemos acesso integral aos autos, nem tampouco à noticiada decisão de recebimento da denúncia ora divulgada pela Imprensa, o que nos impossibilita de apresentar qualquer consideração a respeito deste assunto, no momento.

Reiteramos que o Wagner Pires sempre esteve e permanece à disposição da Justiça para esclarecer todos os fatos que dizem respeito ao período de sua gestão como Presidente do Cruzeiro Esporte Clubbe. 

O Wagner Pires refuta integralmente o teor das acusações lançadas contra sua pessoa e permanece convicto de que, ao final, a Justiça reconhecerá a absoluta correção de suas condutas".