A terceira partida da decisão da Copa Libertadores de 1976 se encaminhava para o fim, com o empate em 2 a 2, quando uma falta marcada a favor do Cruzeiro surgiu como uma oportunidade de ouro, que logo se converteria em uma das maiores conquistas da história da Raposa. Enquanto Nelinho e Piazza trocavam farpas sobre quem deveria ser o cobrador, Joãozinho surpreendeu a todos ao colocar por cima da barreira e no fundo das redes do River Plate.

Os 3 a 2 no jogo decisivo engendraram a celebração do primeiro título sul-americano dos celestes. O curioso e irônico é que nem todo cruzeirense ficou feliz com Joãozinho. Após o duelo, ainda no vestiário do Estádio Nacional, em Santiago, no Chile, o técnico Zezé Moreira chamou o jogador de “irresponsável”, cogitando que o “Bailarino” não voltasse ao Brasil com a delegação. Tudo porque Joãozinho quebrou a hierarquia da bola parada.

Cruzeiro

Foi este jeitinho “moleque” e imprevisível que fez João Soares de Almeida Filho brilhar no Cruzeiro e se tornar um dos atletas da história do clube a computar mais de 400 partidas (exatas 471) e mais de cem gols (118).

No currículo, além da Liberta, estão cinco campeonatos mineiros, juntando as duas passagens pela Toca. Sem dúvida alguma, um dos grandes nomes da Raposa na década de 70, imortalizado por sua genialidade aliada à tal “irresponsabilidade”.

A FICHA DO CRAQUE

NOME: João Soares de Almeida Filho
NASCIMENTO: 15 de fevereiro de 1954
LOCAL: Belo Horizonte (MG)
ESTREIA NO CRUZEIRO: 16 de janeiro de 1972 - Cruzeiro 2 x 0 Tupi – Taça Belo Horizonte – Mineirão
PERÍODO NO CRUZEIRO: 1973 a 1982 e 1984
GOLS: 118
JOGOS: 471
TÍTULOS: Copa Libertadores (1976), Campeonato Mineiro (1973, 1974, 1975, 1977 e 1984) e Taça Minas Gerais (1973 e 1984)
OUTROS CLUBES: Internacional

NA SELEÇÃO BRASILEIRA

ESTREIA: 13 de agosto de 1975 – Brasil 6 x 0 Venezuela – Copa América – Mineirão
GOLS: 0
JOGOS: 4

Cruzeiro