O ex-presidente do Conselho Gestor, que esteve à frente do Cruzeiro entre dezembro de 2019 e maio deste ano, Saulo Fróes rebateu veementemente as críticas feitas pelo goleiro Fábio, após a derrota por 2 a 1 para o Sampaio Corrêa, nessa quinta-feira (8), no Mineirão, pela 14ª rodada da Série B do Campeonato Brasileiro.

Sem citar diretamente a quem se referia, o camisa 1 da Raposa condicionou o grave momento pelo qual o clube atravessa dentro e fora de campo, aos antigos gestores da instituição. 

Em uma das falas, inclusive, o jogador disse que quem perdeu os seis pontos na Fifa não estava mais no Cruzeiro. A declaração deixou em dúvida a quem o goleiro culpava. Isso, porque a dívida, correspondente ao não pagamento do empréstimo do volante Denílson junto ao Al-Whada, dos Emirados Árabes, foi contraída pela gestão de Gilvan de Pinho Tavares (2012-2017).

O débito não foi pago pela administração de Wagner Pires de Sá (2018 a 2019) e foi executado quando a Raposa estava sendo dirigida pelo Conselho Gestor.

Sobre as declarações de Fábio, Saulo Fróes respondeu duramente, em entrevista ao Hoje em Dia, afirmando que o goleiro não se manifestou antes de o clube entrar nessa grave crise.

"Ele se omitiu e agora quer dar uma de santo. A culpa é das outras administrações anteriores, mas ele querer jogar todo mundo no mesmo balaio? Então, pera aí. O Conselho Gestor foi formado por pessoas sérias, dignas. Ele tem que agradecer muito ao Conselho Gestor. Não falo nem a mim, mas por todos do Conselho Gestor", completou Fróes.

Com o mesmo tom, o ex-dirigente da Raposa voltou a questionar Fábio, afirmando que o atleta não fez nada para ajudar o clube fora de campo. "Ele era o porta-voz das reclamações, solicitando mais bicho (premiação por vitórias). Ele teve a oportunidade que nós não tivemos (de se posicionar contra as antigas gestões). Nós ficamos lá (no Cruzeiro) cinco meses, sendo dois meses e meio de pandemia. O que nós fizemos em cinco meses, ele não fez nada pelo Cruzeiro. Quanto ao que fez pelo Cruzeiro (em campo), foi muito bem pago para isso. É o jogador mais bem pago do Cruzeiro. O salário do Fábio é R$ 700 mil. Hoje não tem segredo, ele ganha R$ 200 mil, e os outros R$ 500 mil nós fizemos um parcelamento. Como fizemos também com outros. É um direito dele (Fábio) assinar o contrato, ele está certo. Talvez tenha sido o goleiro que mais tenha ganhado dinheiro no Brasil", disse Fróes.

"Ele não tirou nenhum centavo"

Em relação à dificuldade em arcar com os salários dos funcionários, Saulo Fróes afirma que o Conselho Gestor assumiu o Cruzeiro em situação pior do a que está agora e alfinetou novamente Fábio.

"Quando nós entramos lá, não tinha dinheiro para comida na Toca. Pusemos os salários dos funcionários em dia, inclusive dos jogadores. Inclusive do próprio Fábio, que é quem mais ganha lá, mesmo reduzindo o salário; apesar do crédito dele (pagamento da diferença do que é pago em 2020) é para frente. Deixando bem claro que o Fábio, assim como qualquer jogador, não tirou um centavo. Ele deveria agradecer, porque pagamos ele em dia. O que aconteceu depois, que nós deixamos de pagar, é porque veio a pandemia. O Cruzeiro não tem caixa. É o que está acontecendo hoje e vai continuar acontecendo. Porque o Cruzeiro, infelizmente, não tem recursos. Não quero fazer nenhuma crítica ao Serginho (Santos Rodrigues, presidente), que entrou em uma situação delicada. Agora, ele pegou o Cruzeiro em uma situação muito melhor do que a que nós pegamos".

Por fim, o ex-dirigente da Raposa, voltou a criticar seus antecessores no comando do clube estrelado.

"Falar das gestões anteriores é bater no mesmo teclado de novo. Não precisamos nem falar quem acabou com o Cruzeiro. As gestões de vaidade, a troco de títulos. E principalmente a última, que além de vaidade e de incompetência, ainda teve fraude e roubo. Isso aí já está mais do que provado. A anterior (de Gilvan de Pinho) eu acredito muito mais em vaidade e incompetência, mas as última (Wagner Pires e Itair Machado) que houveram os desfalques".

A reportagem tentou contato com Gilvan de Pinho Tavares e Wagner Pires de Sá, mas não obteve retorno de ambos até o momento. 

Em relação a Fábio, a assessoria de comunicação do Cruzeiro afirmou que o goleiro está em viagem com a delegação e que vai consultá-lo se ele deseja se manifestar sobre as declarações de Saulo Fróes. O espaço está aberto, caso o jogador queira se posicionar.