Se acontecerem, as finais do Troféu Inconfidência e a Recopa do Interior, previstas no calendário do Módulo I do Campeonato Mineiro de 2020, só serão disputadas em 2021, mas existe a chance de as duas não serem realizadas.

Os 13 casos de Covid-19 no Uberlândia, em 40 pessoas testadas, em apenas uma semana, fizeram com que a Federação Mineira de Futebol (FMF) cancelasse a partida que o clube disputaria nesta quarta-feira (5), contra o Cruzeiro, às 19h, no Mineirão, valendo o título do Troféu Inconfidência.

Cruzeiro Uberlândia 2020O Uberlândia não tem condições de esperar o Cruzeiro ter data em seu calendário para realizar a final do Troféu Inconfidência ainda nesta temporada

O problema é que no próximo sábado (8) a Raposa já inicia sua participação na Série B do Campeonato Brasileiro e tem ainda o jogo de volta contra o CRB pela terceira fase da Copa do Brasil. Assim, na melhor das hipóteses, o confronto cancelado contra o Uberlândia teria de ser disputado na metade de setembro.

Mas o time do Triângulo, que encerraria nesta noite sua participação no Campeonato Mineiro, não terá mais seu grupo de jogadores. Isso porque 70% dos jogadores terão seus vínculos encerrados ainda nesta semana.

“O Uberlândia não tem calendário no segundo semestre. Cerca de 70% do grupo será liberado esta semana ainda. Ficarão apenas atletas formados em casa, que têm contratos mais longos com o clube. Sobrariam de oito a dez jogadores, de um total de 30”, informa Fabrício Tavares, diretor de futebol do clube e que está em casa, assintomático, pois no último sábado foi diagnosticado com Covid-19.

Segundo Fabrício, os dois objetivos do Uberlândia no Módulo I deste ano foram alcançados, pois o clube garantiu presença na Série D do Brasileirão de 2021 e, se Minas Gerais tiver mais uma vaga na Copa do Brasil, ela será do Verdão.

Isso acontecerá se América ou Cruzeiro venerem a Série B, se o Coelho ganhar a Copa do Brasil ou se o Atlético se classificar para a próxima Libertadores via Série A.

Custos

Depois de ter despesas de cerca de R$ 100 mil com dois jogos em casa sem torcida, viagem a Tombos e Belo Horizonte e testes para os dois jogos do Troféu Inconfidência, cada mês a mais do grupo de jogadores custaria até R$ 300 mil ao Uberlândia, o que foge à realidade financeira do clube.

“Não temos condições de manter a nossa folha, que é de cerca de R$ 220 mil, mas com encargos se aproxima dos R$ 300 mil. E seriam mais 40 testes, ao custo de R$ 249 cada, e mais uma viagem a Belo Horizonte, que fica em torno de R$ 10 mil, para se jogar o Troféu Inconfidência este ano. Vejo como solução, se ele for disputado, o ano que vem, antes do início do Estadual ou até durante o torneio. E isso vale também para a Recopa do Interior”.

Além disso, segundo Fabrício, o Uberlândia terá de testar novamente a delegação. Ele ressalta ainda que o clube precisa cuidar dos jogadores e funcionários que estão com a Covid-19.

A Recopa do Interior será disputada pelo Uberlândia, pois os times da capital não participam, contra o classificado do confronto entre Tombense e Caldense, que decidem nesta quarta-feira, às 16h, no Independência, uma vaga na decisão do Módulo I e também o título de Campeão do Interior.

Oficial

A FMF ainda analisa a situação provocada pelo cancelamento do jogo Cruzeiro x Uberlândia. A entidade tem uma grande preocupação com a questão legal, para evitar que o fato seja judicializado.

Isso porque Villa Nova e Tupynambás, que caíram para o Módulo II, tentam na Justiça Desportiva que o Campeonato Mineiro de 2020 não tenha rebaixamento por causa da pandemia pelo novo coronavírus.

Na nota em que cancela o Cruzeiro x Uberlândia, a FMF destaca que “maiores detalhes serão objeto de deliberação posterior”.