cruzeiro, salomé, mascote, seu odilon, odilon, sebo, sebo ao ar livre

 

Um ato de vandalismo uniu Belo Horizonte em prol do Senhor Odilon, vendedor de livros em um sebo ao ar livre, que teve o seu acervo incendiado de forma criminosa nesta semana. E o Cruzeiro também entrou nessa onda de solidariedade doando exemplares que contam a história do clube para o empreendedor social.

Segundo o presidente do clube, Sérgio Santos Rodrigues, a diretoria criou uma ação com a mascote Salomé para ajudar o "Seu Odilon" a recuperar o seu grandioso acervo. 

"Essa história do Seu Odilon moveu muita gente, porque todo mundo sabe que ele ali, na esquina da avenida do Contorno, muito bacana, trabalha com livro, com educação. Vândalos infelizmente existem e fizeram isso, queimaram todo o acervo do Sr. Odilon, e vimos as redes sociais se mobilizando, a população de Belo Horizonte se mobilizando para poder doar alguns livros para ele. A Salomé não podia faltar, a nossa eterna Salomé que sempre estará presente para poder ajudar as pessoas. Ela foi lá e fez em nome do Cruzeiro uma doação de livros também para podermos particular. Ela visitou o Seu Odilon e doou o livro Palestra e os Palestrinos, algumas unidades dele, para que ele seja vendido e o Senhor Odilon possa recuperar o seu acervo", revelou Santos Rodrigues.

A mascote Salomé foi idealizada nos primeiros dias da nova gestão do clube, capitaneada por Sérgio Santos Rodrigues, e presta uma bela homenagem à torcedora Maria Salomé, que dedicou sua vida em prol do Cruzeiro e se tornou um símbolo para o clube.

"Parabéns, Salomé (mascote), ao time que está de olho nisso sempre. Destaco sempre a responsabilidade social que um clube de futebol deve ter e da cultura de paz que temos que ter obrigação de ajudar a promover. Abraço ao Seu Odilon que é um grande cruzeirense, e sei que ele está ainda mais conectado com a gente", finalizou. 

Seu Odilon mantém um sebo ao ar livre na esquina da rua Grão Mogol com a avenida do Contorno, nas imediações de grandes bairros da região Centro-Sul da cidade, Funcionários, Carmo e Sion. 

Há três anos ele comercializa livros no local e um incêndio criminoso queimou aproximadamente três mil obras de um acervo que tinha cinco mil exemplares. Mas a solidariedade da população da capital mineira foi maior e só em doações o empreendedor social já angariou cerca de dez mil livros. 

O local exato do sebo ao ar livre é Rua Grão Mogol, esquina com Avenida do Contorno, no passeio da papelaria Kalunga. Seu Odilon fica por lá de 9h às 20h e está recebendo doações.