SAMPAOLI

Sem jogos, técnico tem oportunidade de observar o grupo de atletas e implantar seu método de trabalho

Há exatos 110 dias, o Atlético fazia seu último jogo na temporada. Naquele 14 de março, o técnico Jorge Sampaoli vivia sua estreia na vitória por 3 a 1 sobre o Villa Nova, em Nova Lima. O duelo, válido pela nona rodada do Campeonato Mineiro, inclusive, aconteceu cinco dias depois da apresentação do comandante na Cidade do Galo.

De lá para cá, muitos acontecimentos marcaram o cotidiano do clube, mesmo com a bola parada, devido à pandemia do novo coronavírus. Principalmente, a saída e chegada de jogadores no elenco alvinegro.

Reformulando o elenco e apresentando uma lista com dezenas de opções à  diretoria, Sampaoli teve alguns dos pedidos atendidos. Até o momento, foram cinco peças novas adquiridas: Léo Sena, Alan Franco, Bueno, Keno e Marrony. O zagueiro Junior Alonso, que teve o vínculo com o Boca Juniors encerrado anteontem, será o próximo.

Cereja do bolo

Ainda em busca de um centroavante de origem, o Atlético tenta dar a "cereja do bolo" ao argentino. Nomes como os dos argentinos Ábila, Gaich, Lucas Pratto e Nahuel Bustos foram especulados, assim como o do chileno Eduardo Vargas. Em clima de mistério de quem terá o martelo batido, a expectativa é que, em até três semanas, o reforço seja conhecido.

Em relação às saídas, duas delas foram justamente no setor que hoje só conta com Diego Tardelli. Ricardo Oliveira, fora dos planos, ainda negocia a rescisão contratual; Franco Di Santo, por sua vez, encerrou o vínculo com o clube no início da semana, de forma amigável. No meio de campo, Zé Wellison já não faz mais parte do grupo.

O lateral-esquerdo Lucas Hernández e o volante Ramón Martinez, contratações milionárias da Era Rui Costa, foram deslocados para a equipe de transição, enquanto não são recolocados em outra equipe. Outros atletas que tiveram o vínculo rompido com o alvinegro foram o volante Lucas Cândido, o atacante Clayton e o lateral-esquerdo Hulk; o último, a caminho do Porto, de Portugal. Neste caso, o Atlético ficará com 30% em uma futura venda do prata da casa de 21 anos.

Outro que deixou o clube foi o lateral-direito Patric, que estava vinculado ao alvinegro desde 2010 e que  acertou o retorno para o Sport, de Recife.

Ainda sem data para o retorno das competições, Sampaoli segue os trabalhos em Vespasiano, sempre elogiado pelos atletas durante as entrevistas coletivas. O estilo do treinador tem agradado ao grupo e, em coro, o discurso é de brigar pelo título do Campeonato Brasileiro já em 2020. A ver.
técnico no time: a vitória sobre o Vila, em Nova Lima

Nathan fica e Keno chega

Mais um jogador teve ontem sua situação definida pela diretoria, para seguir entre os comandados por Jorge Sampaoli. O Atlético acertou a compra de 100% dos direitos econômicos do meia Nathan, que pertenciam ao Chelsea. O clube vai pagar 3 milhões de euros (cerca de R$ 18 milhões), obtidos, segundo a Rádio Itatiaia, graças à participação do empresário Rubens Menin (MRV). O diretor de futebol Alexandre Mattos teria conseguido, junto ao clube inglês, a redução em 50% da pedida inicial. Nathan assina novo vínculo, até junho de 2024.

Ontem quem desembarcou em Belo Horizonte foi o atacante Keno. O jogador, de 30 anos, pertencia ao Pyramids, do Egito, e estava emprestado ao Al-Jazeera, dos Emirados Árabes. Ele passará pelos exames médicos para, então ser apresentado oficialmente e se integrar ao grupo de jogadores alvinegros.