O caos que se instala no país devido à pandemia do novo coronavírus atinge também a classe dos jogadores de futebol. Ao contrário do que se pensa, a porcentagem dos atletas profissionais que conseguem respirar tranquilamente nas crises, financeiramente falando, é bem pequena e não chega a 5%. Por isso, acontece neste momento uma união em prol daqueles que já começam a passar dificuldades.

Numa iniciativa de capitães de clubes das Séries C e D do Campeonato Brasileiro, foi criada uma espécie de corrente para que a Confederação Brasileira de Futebol olhe para a classe e também dê suporte aos clubes empregadores. Contudo, esta voz não seria tão forte se não tivessem apoio dos companheiros de profissão que atuam na Primeira Divisão.

Buscando aumentar o coro e mostrar para o país que todos os jogadores estão nesta batalha, capitães dos gigantes e médios das Séries A e B se uniram e entraram nesta campanha. Neste sábado (28), inclusive, muitos irão usar as redes sociais para se manifestar e, com a hashtag #QueremosIgualdadeCBF, tentarão chamar mais ainda a atenção da entidade maior do futebol brasileiro.

A intenção é que os atletas e clubes das divisões inferiores sejam atendidos pela Confederação e que tenham assistência devida neste período em que o vírus fez a bola parar de rolar. Muitos destes jogadores ficarão sem contrato; os clubes, sem gerar receita, terão cada dia mais dificuldades para arcar com seus vencimentos.

asas