Em meio a sua maior crise dos seus 99 anos de história, o Cruzeiro ainda trabalha na montagem do elenco para a disputa da temporada 2020.

Com a saída de vários jogadores que não se enquadram na atual situação financeira do clube, e com pouco recursos para ir ao mercado, a Raposa tem tido dificuldades para qualificar o plantel que vai ter como principal objetivo o retorno à Série A do Campeonato Brasileiro.

Entretanto, em meio a tantas incertezas, ao menos uma segurança os torcedores tinham neste início de reconstrução do time.

As permanências do goleiro Fábio, do lateral-direito Edílson e dos zagueiros Léo e Cacá fazem com que a defesa estrelada seja o pilar do time comandado pelo técnico Adilson Batista.

Entretanto, passados sete jogos na temporada, o setor defensivo da Raposa não vem tendo o desempenho esperado e se tornou uma das dores de cabeça do comandante celeste para os próximos jogos.

Na derrota por 2 a 0 para o Tombense, na última quinta, no Almeidão, os zagueiros da Raposa voltaram a ter muitas dificuldades para segurar os ataques do adversário.

No primeiro gol do time de Tombos, o atacante Rubens se posicionou atrás do zagueiro Léo em cobrança de escanteio, e cabeceou sem dificuldades para abrir o placar.

A segunda bola nas redes do Gavião Carcará também contou com a colaboração da defesa estrelada. Rubens novamente levou a melhor sobre Léo, e serviu Cássio Ortega, que se antecipou a Cacá, e bateu cruzado para ampliar.

Além dos zagueiros, Fábio e Edílson, apesar de não terem cometido falhas graves, não estão tendo atuações à altura do que se espera de referências técnicas do elenco.

Contratado junto ao Ceará para dar experiência a lateral esquerda, João Lucas não vem comprometendo desde que estreou com a camisa celeste. 

Léo e Cacá Cruzeiro

Falhas frequentes

As dificuldades da defesa não se restringem apenas ao duelo em Tombos. Nas últimas cinco partidas, o Cruzeiro foi vazado, na maioria das vezes em virtude de erros dos defensores.

Nos confrontos com o Tupynambás, São Raimundo-RR e Patrocinense, falhas individuais e coletivas do sistema defensivo fizeram com que a Raposa tivesse muitas dificuldades para evitar a derrota.

Após a partida contra a Tombense, o técnico Adilson Batista comentou sobre a situação.

“Se observamos os gols sofridos, pega os dois contra o Tupynambás, aí vai ver os outros gols, é tudo parecido. Você tem, desde o Fábio, a primeira linha, o Machado, apesar de jovem, para mim é experiente e fez um grande jogo… Mas o goleiro, a linha de quatro e o primeiro (volante), (são) experientes. São detalhes que estão faltando e precisamos corrigir. Vamos fazer”.

O próximo desafio do Cruzeiro será no dia 1º março, contra o Uberlândia, às 16h, no Mineirão, pela sétima rodada do Mineiro, em que terá a oportunidade de encerrar a sequência de quatro jogos sem vencer na temporada.