As festas de fim de ano marcam praticamente a metade da disputa da fase classificatória da Superliga Masculina de vôlei. Exceto por Fiat/Minas e Sada/Cruzeiro, que tiveram o clássico mineiro adiado, todas as equipes disputaram dez das 11 partidas do primeiro turno da competição. Com essa amostragem, já é possível perceber as realidades distintas entre as três equipes de Minas Gerais no mais importante torneio do voleibol nacional.
 
Maior campeão da Era Superliga, com seis troféus de campeão, o Cruzeiro estará mais uma vez brigando pelo título. Com novidades no elenco, a equipe celeste vem de grandes atuações nesta primeira parte do torneio. Apesar da derrota única diante do Renata/Vôlei, o time de Marcelo Mendez conseguiu bater os principais favoritos ao título. No último jogo de 2019, inclusive, a equipe celeste venceu o atual campeão Taubaté fora de casa por 3 a 0, com certa facilidade.
 
Título é algo distante da realidade minastenista. Até o momento, foram nove partidas disputadas e apenas quatro vitórias. Com o elenco recheado de jovens jogadores, a esperança é que o rendimento no decorrer da Superliga possa melhorar e que os dois ponteiros argentinos, Lazo e Ocampo, mais adaptados ao voleibol brasileiro, possam assumir uma posição de maior destaque no time, sétimo no torneio. A meta atual do Minas deve ser se manter entre os oito que se classificam para os playoffs, se colocando na melhor posição possível, pensando em um futuro chaveamento.

Sada

 
Situação mais delicada é a do América Vôlei. Com investimento mais modesto, a equipe que manda seus jogos em Montes Claros conseguiu apenas uma vitória até o momento. O grande objetivo do Coelho, atualmente na 11ª posição, é ultrapassar ao menos um adversário e fugir das duas últimas colocações, que formam a “zona de rebaixamento” da Superliga.
 
Clássico
 
O ano de 2020 já começa quente para o vôlei mineiro. Logo no dia 5 de janeiro, o Cruzeiro recebe o Minas em Contagem, para a disputa da partida válida pela sexta rodada da competição, adiada por conta da disputa do Mundial de Clubes, que contou com a participação dos celestes