A Copa América vivia a expectativa de receber os três principais jogadores do continente: Lionel Messi, Luis Suárez e Neymar. Entretanto, o corte do brasileiro impediu que o "trio MSN" voltasse a atuar em uma mesma competição.

Messi e Suárez são as principais apostas de Argentina e Uruguai, respectivamente. Há a chance de eles se encontrarem já nas quartas de final, em duelo que colocará frente a frente o primeiro colocado do Grupo B e o segundo do Grupo C. Neymar, por sua vez, terá de ver pela televisão seus ex-companheiros de Barcelona disputarem a competição no seu País. O atacante viveu sua melhor fase da carreira ao lado do argentino e do uruguaio no clube espanhol entre os anos de 2014 e 2017. Juntos, eles infernizaram defesas na Espanha e da Europa e conquistaram oito títulos: Liga dos Campeões da Europa (2014/2015), Mundial de Clubes (2015), Campeonato Espanhol (2014/2015 e 2015/2016), Supercopa da Espanha (2013) e Copa do Rei (2014/2015, 2015/2016 e 2016/2017).

O trio se desfez no segundo semestre de 2017, quando o Paris Saint-Germain pagou a multa rescisória de 222 milhões de euros (R$ 812 milhões na época) e contratou Neymar. Ele também queria construir uma "carreira solo", longe da sombra de Messi.

Apesar de ter se transferido para o clube francês, o atacante ainda mantém contato com os ex-companheiros e frequentemente visita o centro de treinamentos do Barcelona. O trio tem um grupo no WhatsApp, e o brasileiro recebeu apoio de Messi e Suárez depois do corte na competição.

"Claro que falamos com o Ney para dar força a ele. Como qualquer jogador que perde um torneio importante, ele está triste. O Brasil perde muito. É um dos melhores do mundo, mas o Brasil tem grandes jogadores. Se não entra Ney, entra Willian. Isso demonstra o que a seleção do Brasil é como equipe", disse Suárez, que evitou se estender em outras perguntas sobre o atacante brasileiro cortado por Tite. "O tema Neymar é muito complicado, somos amigos", comentou o uruguaio.

Neymar foi cortado da seleção brasileira na semana passada após ter sofrido uma lesão no tornozelo direito durante o amistoso com o Catar - mais um episódio frustrante do atacante envolvendo o torneio continental. Ele estreou na Copa América em 2011, quando ainda atuava pelo Santos. Titular daquela equipe comandada por Mano Menezes, o atacante tinha o objetivo de iniciar sua trajetória na seleção e fazer a torcida esquecer a queda na Copa do Mundo de 2010. Porém, o Brasil caiu ainda nas quartas de final para o Paraguai. A eliminação aconteceu nos pênaltis, por 2 a 0, depois do empate sem gols - Elano, Thiago Silva, André Santos e Fred desperdiçaram suas cobranças.

A Copa América de 2015 traz lembranças ainda piores para Neymar. Já consolidado como o principal jogador da seleção, o atacante se envolveu em confusão após jogo contra a Colômbia na segunda rodada da fase de grupos. Assim que o árbitro apitou o fim da partida, ele chutou a bola em direção a Armero e deu uma leve cabeçada em Murillo. Resultado: foi expulso e pegou gancho de quatro jogos na Conmebol. Não pôde atuar contra o Paraguai nas quartas de final, quando o Brasil foi novamente eliminado nos pênaltis, por 4 a 3, depois do empate por 1 a 1.

Em 2016, Neymar não participou da Copa América Centenário. Em acordo entre Barcelona e CBF, o atacante foi liberado apenas para disputar os Jogos Olímpicos do Rio e conquistou a medalha de ouro inédita com a seleção brasileira.

Leia mais:

Único destaque argentino na estreia, Messi crê em reação: 'grupo está preparado'

Suárez vence nova lesão e lidera Uruguai em estreia contra o Equador no Mineirão