O compromisso é pela primeira rodada da fase inicial da Copa América, mas a preocupação das equipes está com o futuro. Neste domingo (16), às 16 horas, o Maracanã será palco da partida entre as seleções do Paraguai e Catar, que vão duelar pelo Grupo B, pensando em futuras competições.

O Catar não é apenas o adversário de estreia, mas para onde a seleção paraguaia espera viajar em três anos. Sétima colocada nas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2018, o Paraguai não disputa o principal torneio do futebol desde o Mundial de 2010. E encara a Copa América no Brasil como primeiro passo para isso.

Apenas há quatro meses à frente do Paraguai, o técnico argentino Eduardo Berizzo teve um início difícil, com derrotas para Peru e México em amistosos disputados em março. No preparatório para o torneio, diante de equipes da Concacaf, empatou com Honduras (1 a 1) e superou a Guatemala (2 a 0).

Os resultados e o futebol apresentados, porém, não empolgaram. Assim, a ideia de Berizzo é formar uma equipe forte para as Eliminatórias, que vão começar em março, do que fazer uma campanha de peso, embora os paraguaios tenham sido semifinalistas em duas das últimas três edições - vice em 2011 e quarta colocada em 2015.

"Este torneio vai ser uma prova fundamental para ele (Berizzo) tirar suas conclusões. Queremos que o grupo vá se consolidando, mas o principal é chegar da melhor maneira nas eliminatórias", declarou Óscar Romero.

Dois jogadores que estão em atividade no futebol brasileiro vão ser titulares contra o Catar: o goleiro Gatito Fernández (Botafogo) e o atacante Derlis González (Santos). Já o zagueiro palmeirense Gustavo Gómez está suspenso por dois jogos e só poderá entrar em ação no último compromisso da sua equipe na fase de grupos.

Uma das duas seleções convidadas para participar da Copa América - a outra é o Japão -, o Catar usa o torneio visando adquirir rodagem para o Mundial de 2022, em que será sede. A equipe surpreendeu ao vencer a Copa da Ásia no começo desta temporada, o que lhe deu esperanças de conseguir ser competitiva daqui a três anos.

Os melhores desempenhos de seleções convidadas na Copa América foram do México, em 1993 e 2001, tendo perdido para Argentina e Colômbia na final, respectivamente, de ambas as edições. Essas campanhas parecem distantes do Catar, mas avançar às quartas de final é uma meta viável que os asiáticos consideram viável. Na sua preparação, perdeu amistoso para o Brasil por 2 a 0, no Mané Garrincha.

 

Leia mais:

Seleção chega à Bahia e ganha versão de música de Alceu Valença para Copa América

Único destaque argentino na estreia, Messi crê em reação: 'grupo está preparado'