O voo que caiu nesta terça-feira (29) nas proximidades de Medellín levava, de acordo com a Chapecoense, 72 passageiros, além de nove tripulantes. Desses, 21 eram profissionais de imprensa. O único sobrevivente seria o jornalista Rafael Henzel, da Rádio Oeste Capital, que foi levado ao Hospital San Juan de Dios.

De acordo com a polícia de Antioquia, o estado colombiano onde fica Medellín, apenas cinco pessoas sobreviveram. Havia 81 pessoas no voo, sendo que 76 morreram. Três dos sobreviventes são jogadores - Danilo, Alan Ruschel e Folmann -, e outra é uma tripulante - Jimena Suárez.

A Fox, que transmitia a Copa Sul-Americana, levava seis profissionais: o comentarista Mario Sérgio Ponte de Paiva, ex-jogador da seleção brasileira, Victorino Miranda, Rodrigo Santana Gonçalves, Davair Paschoalon (Deva Pascovicci) e Lilacio Pereira Júnior, Paulo Clement.

Da Globo, estavam no voo Guilherme Marques, Ari de Araújo Junior e Guilherme Lars, além de Laion Machado Espíndola, do GloboEsporte.com. Do Grupo RBS, de Santa Catarina, os jornalistas Djalma Araújo Neto e André Luis Goulart Podiacki.

Além disso, havia oito radialistas: Rafael Valmorbida, Renan Carlos Agnolin, Fernando Schardong, Edson Luiz Ebelliny, Gelson Galliotto, Douglas Dorneles, Jacir Biavitti e Ivan Carlos Agnoletto.

Leia mais:
Orgulho de Chapecó, clube foi fundado em 1973 e superou dívidas
CBF adia final entre Grêmio e Atlético por causa de acidente aéreo
Clubes e jogadores europeus saem em apoio ao Chapecoense
Jogadores Danilo, Jackson e Alan sobrevivem ao acidente aéreo, informa imprensa colombiana
Autoridades colombianas divulgam lista de passageiros; confira
Acidente com delegação da Chapecoense deixa 76 mortos