Em clima de festa, dirigentes do clubes integrantes da Liga se reuniram no clube do Cruzeiro nesta sexta-feira (29), no Barro Preto, e comemoram a aprovação do torneio pela Confederação Brasileira de Futebol, na noite da última quinta-feira. Na pauta, foi discutido como será disputada a competição em 2017. A ideia é incluir os clubes paulista e no futuro fazer uma Liga Nacional, semelhante a Premier League, na Inglaterra. A busca por patrocinadores e também o ajuste da Liga ao calendário também foi conversado.

A princípio, encontro estava marcado para discutir estratégias que a entidade iria tomar com relação à queda de braço que travava com a CBF. Nos bastidores, comenta-se que a influência do Governo Federal e o apelo popular foram os fatores primordiais para a CBF recuar e aceitar a Primeira Liga. Contrária à competição, a entidade máxima do futebol havia ameaçado uma guerra contra o clubes participantes do torneio e havia ameaçado acionar até mesmo a FIFA.

O presidente do Cruzeiro e da Primeira Liga, Gilvan de Pinho Tavares, não escondeu o contentamento com a decisão. "A principal pauta da reunião foi dispensada, já que a CBF autorizou a continuidade da Liga. Ontem, o presidente do Flamengo, Bandeira de Melo, me mandou por Whatsapp que a CBF havia autorizado e que o torneio do próximo ano se tornará oficial. Enviei a mensagem para todos os presidentes dos clubes, que comemoraram muito. Hoje, a reunião foi mais para tratar de patrocínios, calendários e outras coisas, mas precisamos ter mais reuniões para tratar essas questões", comemorou Gilvan.

Para Gilvan, a CBF deve apenas se concentrar nas questões relacionadas à Seleção Brasileira. "A CBF atravessa um momento de transição, e estamos dando todo o apoio. A tendência é que, no futuro, a CBF tome conta, com toda competência e carinho, do futebol da seleção brasileira. A intenção da Liga é evoluir e se tornar uma Liga Nacional. Estamos felizes com esse acordo, e outros clubes que não fazem parte da Liga já se manifestaram e demonstraram interesse em se juntar a nós. Esperamos que todos os grandes clubes venham, como os de São Paulo, e os de outros estados também", opinou.

Segundo o presidente do Atlético, Daniel Nepomuceno a decisão da CBF em aprovar a Primeira Liga foi uma vitória do futebol brasileiro. "Teve conversas sobre arbitragem, preparação para o ano que vem, avaliação dos patrocínios. Cada clube tem a sua parcela de contribuição para que a Liga fosse aprovada. E foi sensata a decisão de não haver a punição aos clubes, principalmente aos que disputam Libertadores. A Conmebol havia enviado um ofício sobre uma possível punição aos clubes que disputam a Libertadores. Mas tudo deu certo, e eu vim mais para parabenizar e dizer que o momento agora é outro. Que precisamos começar a pensar em 2017", disse Neponucemo.