Começa na próxima quarta-feira, em Palhoça (SC), a primeira das duas seletivas da natação brasileira para o Rio-2016. Só os resultados do Open, que vai até sábado, e do Maria Lenk, em abril do ano que vem, no Rio, serão considerados válidos como tomada de tempo para os atletas que pretendem ir à Olimpíada. A Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA) optou por utilizar os mesmos índices da Federação Internacional (Fina), sendo que há um limite de dois brasileiros por prova.

Thiago Pereira, nadador mais completo do País, vai pular na piscina para apenas uma prova individual no Open: os 200m medley, que lhe renderam prata no Mundial desde ano e bronze no de 2013. No balizamento divulgado pela CBDA, ele não consta nem nos 400m medley (ganhou bronze em Londres-2012) nem nos 200m costas (é recordista brasileiro). Assim, só poderia fazer índice para essas provas no Maria Lenk.

Companheiro de equipe de Thiago no Minas Tênis Clube, Cesar Cielo está inscrito para duas provas: os 50m e os 100m livre. Na distância mais curta, tende a ir ao Rio-2016 com Bruno Fratus. Na mais longa, a disputa até pelos postos do revezamento é duríssima. Só na mesma bateria que Cielo nas eliminatórias estão Nicolas Nilo, Pedro Spajari, Bruno Fratus, Marcelo Chierighini, Matheus Santana, Henrique Martins e João de Lucca. O pior deles é 50.º do ranking mundial.

Com foco na obtenção de índices, Cielo não vai nadar os 50m borboleta. Da mesma forma, Etiene Medeiros fica fora dos 50m costas, prova que a levou à prata no Mundial de Kazan. A velocista, 10.ª do ranking mundial dos 50m livre, vai tentar índice nesta prova, nos 100m livre e nos 100m costas.

Joanna Maranhão está inscrita nos 800m livre, 400m livre, 400m medley, 200m medley e 200m borboleta. Ela, e qualquer outro atleta que não nadar os 200m livre, pode buscar o índice também na abertura do revezamento pelo clube - foi a Kazan no 4x200m assim. O mesmo vale para os 100m livre.

Diferente do que usualmente acontece no Maria Lenk e no José Finkel, os clubes não contrataram atletas estrangeiras para somar pontos para a classificação geral, de forma que os poucos "gringos" em Palhoça serão aqueles que já treinam em equipes brasileiras.