Aos poucos, o técnico Mano Menezes vai implementando sua metodologia de trabalho no Cruzeiro. Contratado para tirar o time da incômoda situação da tabela no Campeonato Brasileiro, o treinador, a princípio, conseguiu acalmar os ânimos da China Azul, que andavam aflorados na época do antecessor Vanderlei Luxemburgo. Contudo, o que Mano ainda não conseguiu nesse pouco menos de um mês de trabalho na Toca da Raposa foi repetir a equipe.

Em cinco partidas, foram cinco escalações diferentes. Situação que irá se repetir no duelo contra o Coritiba neste domingo (27), às 18h30, no Mineirão. Mais uma vez, Mano terá que optar por um time diferente do qual considera o ideal.

A situação vinha sendo recorrente com Luxemburgo, que só conseguiu repetir a equipe uma vez nos 19 jogos em que comandou a Raposa.

Contra o Coxa, concorrente direto do time na luta contra a degola, Mano não poderá contar com o volante Willians, expulso contra a Chapecoense, e o zagueiro Bruno Rodrigo, lesionado. Charles e Paulo André entram nos lugares dos considerados titulares.

As constantes mudanças, porém, é minimizada pelo treinador, que comemorou a semana cheia – sem jogos – para ajustar os erros da equipe.

“Pela primeira vez, trabalhamos uma semana. Então tivemos a chance de fazer alguns trabalhos que não havíamos feito com a equipe. A tendência é que possamos crescer na reta final. Só com treinamentos assim podemos diminuir a carga de trabalho, mas jamais a intensidade do treinamento”, destaca Mano.

Problemas

Os problemas de Mano em repetir a escalação desde a sua chegada foram muitos. Depois de uma estreia envolvente – goleada por 5 a 1 sobre o Figueirense, no Mineirão –, o treinador não pôde contar com Bruno Rodrigo, lesionado no joelho esquerdo, para o compromisso seguinte, diante do Flamengo.

No clássico com o Atlético, ele optou pelo retorno de Mena, que estava com a seleção do Chile, no lugar de Pará. A outra novidade foi Alisson na vaga de Allano e Marquinhos na de Vinícius Araújo.

No jogo seguinte, contra o Vasco, com Mena expulso, o treinador da Raposa precisou voltar com Pará, pois Mena havia sido expulso no clássico. Diante da Chapecoense, foi a vez de Bruno Rodrigo ficar de fora. Ele sentiu o joelho esquerdo e teve de ser substituído por Paulo André. Ceará e Henrique, que levaram o terceiro amarelo contra o Vasco, tiveram que ser substituídos por Fabiano e Charles, respectivamente.

Para Mano, independente do time, é preciso ter organização. “Eu já falei uma vez e vou repetir: eu acredito em organização de equipe. Quando se está organizada, ela tem mais confiança, marca mais forte e constrói melhor”, opina.

Reforço

Contra o Coritiba, Mano terá um reforço importante no banco de reservas. Depois de sete meses inativo por conta de uma lesão no joelho direito, o meia Júlio Baptista foi relacionado pela primeira vez desde a contusão.

O veterano jogador, de 33 anos, chegou a ser considerado carta fora do trabalho pela diretoria estrelada, mas acabou renovando seu vínculo com o clube até o fim desta temporada. “Isso aqui é a minha vida, o que fiz desde pequeno até hoje. É muito bom voltar à rotina, junto com os companheiros. Isso só me deixa muito feliz”, celebra Júlio Baptista.

No Coritiba, o atacante Kleber Gladiador e o volante Alan Santos estão vetados