O Comitê de Direitos das Crianças da Organização das Nações Unidas (ONU) afirmou, nesta terça-feira (5), que "desaprova, nos termos mais eloquentes, o uso que o presidente [Jair] Bolsonaro faz de crianças, vestidas em roupas militares, segurando o que parece ser uma arma, para promover sua agenda política, o que ocorreu pela última vez em 30 de setembro de 2021".

O evento citado pelo comitê foi o anúncio da liberação de recursos para a ampliação do metrô de Belo Horizonte e a inauguração da pedra fundamental do Centro Nacional de Vacinas da UFMG, ocorrido na última semana na capital mineira. 

Na ocasião, uma criança vestida com a farda da PM de Minas e com uma arma de brinquedo nas mãos subiu ao palco ao lado de Bolsonaro durante a cerimônia. O presidente chegou a pegar o objeto das mãos do garoto e fez pose com a arma de brinquedo. Depois, o garoto ainda fez flexões no palco.

O comitê afirmou que ações como a do presidente devem ser proibidas e criminalizadas, e aqueles que envolvem crianças em hostilidades devem ser investigados, processados e penalizados. 

Além disso, que o Brasil faz parte da Convenção da ONU sobre o envolvimento de crianças em conflitos armados e tem a obrigação de garantir que elas não façam parte de hostilidades ou qualquer atividade relacionada a conflito.

Leia mais:
Bolsonaro faz lançamento simbólico de Centro Nacional de Vacinas em BH
Bolsonaro anuncia privatização e sanciona lei que libera R$ 2,8 bi para ampliação do metrô de BH
Bolsonaro, com arma de brinquedo na mão em BH: ‘quando era moleque, brincava disso’