Em discurso nesta terça-feira (21), durante a abertura da 76ª Assembleia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU), em Nova York, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) provocou duras críticas de internautas, inclusive políticos brasileiros, no Twitter. Além de ter sido citado de forma negativa no noticiário dos principais veículos do mundo.

Até fechamento dessa matéria, cinco dos 10 assuntos mais comentados do Brasil eram sobre o pronunciamento do chefe do executivo.

“#BolsonaroVergonhadoBrasil” e “#BolsonaroVergonhaMundial” chegaram a ocupar, respectivamente, o primeiro e segundo lugar dos assuntos mais citados no país. Mais cedo, foram registrados também nos 'trending topics' da rede social frases como “QUE VERGONHA”, “Auxílio de 800”, “800 DÓLARES”, “Assembleia Geral da ONU” e #ONU2021.

Repercussão internacional

A rede de TV CNN norte-americana destacou que o presidente não tomou a vacina contra o vírus, mas disse ao mundo que quer combater a Covid.

O noticiário também destacou a fala de Bolsonaro sobre o tratamento precoce e o “legado de inflação” deixado pelo lockdown em todo o mundo, principalmente no Brasil, onde a decisão de governadores e prefeitos gerou desemprego e forçou o governo a conceder um “auxílio emergencial de 800 dólares à população”.

Em um dos principais noticiários do mundo, o New York Times, o presidente brasileiro foi citado da seguinte forma: “não vacinado e desafiador, Bolsonaro recua contra as críticas no discurso da ONU”. 

O britânico The Guardian disse que “Bolsonaro provou ser uma figura controversa durante a pandemia, minimizando os impactos do vírus e recusando-se a ser vacinado”, destacando trecho da fala do presidente dizendo que apoia os esforços de vacinação, mas “meu governo não apoiou uma vacina ou passaporte de saúde ou qualquer outra obrigação relacionada à vacina”.

Na web

Internautas se dizem envergonhados com postura do presidente e o acusam de mentir durante o discurso: “Que Brasil é esse que o Bolsonaro tá apresentando na ONU? Mente descaradamente. Que vergonha!!”, disse um deles. “Bolsonaro mais uma vez falando de um país que só existe nos delírios dos grupos de whatsapp”, escreveu outro.

Um dos pontos que mais gerou críticas e indignações foi a defesa do presidente para o tratamento precoce contra a Covid-19, por meio do uso de medicamentos como Cloroquina e Ivermectina. A Organização Mundial de Saúde (OMS) diz que esses remédios são ineficazes no combate ao coronavírus.

“Pasmem! Bolsonaro defendeu tratamento precoce e sem qualquer eficácia contra a Covid em discurso na Assembleia-Geral da ONU. Assumiu crime contra a saúde pública para o mundo inteiro! #BolsonaroVergonhaDoBrasil”, disse um internauta sobre as falas de Bolsonaro.

“O cara foi na ONU defender o tratamento precoce e a não-obrigatoriedade do passaporte da vacina. Tinha que sair de lá de camburão”, afirmou outro.

Confira outras reações:

Políticos

A presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann, afirmou que a participação de Bolsonaro na Assembléia foi um “grande vexame”. “Do desemprego à corrupção, da fome à destruição do meio ambiente, do desastre da economia ao atraso das vacinas, verdade passou longe. Foi a fala de um farsante que está destruindo o país, os direitos do povo e a democracia”, afirmou a deputada.

O deputado Kim Kataguiri (DEM-SP) indagou uma das falas do presidente. “Uma curiosidade pra vocês: ano passado o Bolsonaro disse que havia dado 1000 dólares de auxílio emergencial. Esse ano baixou pra 800 dólares. Por que será?”, escreveu.

O líder da oposição na Câmara, Alessandro Molon (PSB-RJ), classificou o discurso como mentiroso e negacionista. “O discurso mentiroso e negacionista de Bolsonaro envergonha nosso país na Assembleia Geral da ONU. Seu governo fez do Brasil um exemplo? Apoiou a vacina? Nem ele acredita nisso. O Brasil inventado por Bolsonaro esbarra em qualquer semáforo desse país de famintos e desempregados”, disse.

Veja outras reações de políticos:

 

Leia mais:
Na ONU, Bolsonaro defende 'tratamento precoce' e critica lockdown; confira discurso
Kalil recorre a Carmem Lúcia para defender cota mínima em Lago de Furnas; ação contra corre no STF